Grevistas na Maragra destroem quase 50 hectares de cana‐de‐açucar

Grevistas na Maragra destroem quase 50 hectares de cana‐de‐açucar

Trabalhadores grevistas da companhia açucareira da Maragra, em Manhiça ‐ Maputo, destruíram um total de 44,8 hectares de cana- de-açúcar, há cerca de duas semanas, após desentendimento em relação a salários com a direcção da mesma.

Na onda das manifestações, que eclodiram a 29 de Julho passado, os mesmos agrediram e feriram gravemente alguns trabalhadores moderados da empresa e um agente da polícia, bem como vandalizaram a viatura do director da empresa.

A AIM cita o Secretário-geral dos trabalhadores da Indústria do Açúcar Álcool e Afins (SINTIA), Alexandre Muguambe, que acrescenta que até então o sector dos operários da empresa continua de greve, facto agravado pela intolerância pela direcção da mesma.

“Queimaram 44,8 hectares de cana. Eles (os grevistas) dizem que não foram eles. Dizem que queimaram uma parte e que a outra parte foi por causa dos disparos da Polícia… Nós não podemos destruir a empresa. Apelamos aos trabalhadores a não destruir a empresa. Nós entendemos que numa manifestação não se devem destruir os seus bens”, disse Munguambe.