África Business: A saída de Bolloré e o impacto pandémico abalam o transporte e a logística em África

Os portos africanos, tal como os seus homólogos noutras partes do mundo, foram profundamente afectados pela crise da Covid-19. Os volumes de comércio caíram durante os primeiros meses da pandemia, mas um pequeno número de portos conseguiu de facto registar algum crescimento ao longo da crise.

No entanto, a recuperação fez aumentar a procura de contentores, resultando em taxas de frete recordes, que por sua vez aumentaram o custo de movimentação de carga para dentro e para fora de África. O desenvolvimento portuário continua a concentrar-se na África Ocidental, enquanto os maiores operadores do continente anunciaram algumas estratégias interessantes ao longo dos últimos meses.

O investimento do governo chinês e das empresas estatais chinesas em projectos de transporte africanos diminuiu drasticamente nos últimos anos, mas o investimento portuário permanece forte, uma vez que aos operadores internacionais se juntou pelo menos uma instituição financeira de desenvolvimento na modernização das infra-estruturas portuárias, de armazéns e de portos interiores.

No entanto, resta saber se os empréstimos chineses reduzidos para projectos rodoviários e ferroviários africanos serão substituídos.

Uma das maiores surpresas recentes no sector logístico africano nos últimos meses foi a decisão da Bolloré de se retirar da indústria.

O conglomerado francês tem sido um actor importante ao longo de muitas décadas, com operações que vão desde portos e transporte marítimo até aos caminhos-de-ferro e armazenagem, e a empresa tinha expandido as suas operações nos últimos dois anos, apesar de ter perdido a concessão do terminal de contentores Douala, nos Camarões. Está em conversações exclusivas com a companhia de navegação suíça MSC sobre a venda de todas as suas operações logísticas no continente. O MSC ofereceu 6,43 mil milhões de dólares.

A venda parece estar ligada à decisão do fundador Vincent Bolloré de se reformar em Fevereiro de 2022 e de entregar o controlo da empresa aos seus quatro filhos. Além disso, um tribunal francês impôs uma multa de 12 milhões de euros à empresa por irregularidades financeiras relacionadas com uma concessão portuária no Togo.

A venda fará com que o conglomerado familiar perca cerca de metade das suas actuais operações, com a sua participação de 27% no grupo de media Vivendi, o seu maior activo remanescente. As operações logísticas da Bolloré empregam 20.800 pessoas, incluindo em 16 terminais de contentores africanos, principalmente na África Ocidental.

A venda dos activos da Bolloré a um único comprador não deve enfraquecer a concorrência no sector portuário africano. De facto, se a venda ao MSC for concluída como previsto, poderá levar a uma maior integração entre as operações logísticas da divisão e os serviços marítimos do MSC, que já ligam os portos africanos ao resto do mundo.

O negócio será observado com grande interesse pelos principais concorrentes da Bolloré na logística e operação de terminais em África, tais como DP World e APM Terminals. Embora com sede nos Países Baixos, este último trata de operações portuárias como parte do grupo Maersk da Dinamarca. A Maersk é actualmente a maior companhia marítima do mundo, mesmo à frente da MSC.

leave a reply

Feelnews

Notícias imperdíveis