Canadá: Quebec quere aplicar sanções financeiras a adultos não vacinados

O primeiro-ministro da província francófona canadiana do Quebeque anunciou na terça-feira que os residentes adultos que se recusarem a ser vacinados contra o coronavírus serão cobrados uma penalização financeira.

O primeiro-ministro François Legault disse que não ser vacinado leva a consequências para o sistema de saúde e nem todos os habitantes do Quebec devem pagar por isso.

Disse que a taxa se aplicará apenas a pessoas que não reúnam as condições para beneficiarem de isenções médicas. É a primeira vez que um governo no Canadá anuncia uma penalização financeira para pessoas que se recusam a ser vacinadas na pandemia.

Legault disse que o montante da penalidade não foi decidido, mas que será “significativo”. Mais detalhes serão divulgados numa data posterior.

Disse que cerca de 10% dos adultos no Quebec não são vacinados, mas representam cerca de 50% dos pacientes de cuidados intensivos.

“Aqueles que se recusarem a receber as suas primeiras doses nas próximas semanas terão de pagar uma nova contribuição sanitária”, disse Legault.

“A maioria pede que haja consequências. … É uma questão de justiça para os 90% da população que fizeram alguns sacrifícios”. Devemos-lhes isso”.

Quebec anunciou anteriormente um recolher obrigatório das 22h às 5h da manhã. As lojas de bebidas e de canábis do Quebeque também exigirão provas de vacinação para entrar a partir de 18 de Janeiro e o governo avisou que os centros comerciais e os salões de cabeleireiro poderão em breve exigir passaportes de vacinas. As marcações para as primeiras doses saltaram imediatamente a seguir.

Quebec relatou mais 62 mortes relacionadas com a COVID-19, a doença por vezes fatal que pode ser causada pelo coronavírus. Isso elevou as mortes relacionadas com a COVID-19 da província para 12.028, a maior parte das quais no Canadá.

Alguns países europeus começaram a cobrar taxas aos seus cidadãos que não estão vacinados.

Na Grécia, as pessoas com mais de 60 anos têm até domingo para receberem as suas primeiras vacinas contra o coronavírus ou serem multadas em 100 euros ($113) por cada mês em que permanecem não vacinadas.

O ministro da saúde austríaco anunciou no mês passado que o governo pretende impor multas até 3.600 euros ($4.000) a pessoas que desrespeitem um mandato de vacina contra o coronavírus que pretende introduzir em Fevereiro para todos os residentes com 14 anos ou mais.

Em Itália, os residentes com 50 ou mais anos são obrigados a ser vacinados, e a partir de meados de Fevereiro os que não o fizerem terão de pagar multas até 1.600 euros (1.800 dólares) se entrarem nos seus locais de trabalho.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply