Ciclismo: Armstrong anuncia que o futuro do ciclismo pode estar em África

Para Lance Armstrong, o futuro do ciclismo está provavelmente em África, onde os atletas têm uma predisposição para os desportos de resistência.

Desde Ali Neffati, o primeiro africano a participar no Tour de France em 1913, os ciclistas africanos que competiram no Grande Boucle têm sido raros. O argelino Abdel-Kader Abbes seguiu-se em 1936 e o eritreão Daniel Teklehaimanot tornou-se, em 2015, o primeiro cavaleiro africano negro a participar na Volta. Com algum sucesso como o alpinista da equipa sul-africana MTN-Qhubeka.

Mas se acreditar em Lance Armstrong, Daniel Teklehaimanot pode não continuar a ser um caso unico. De acordo com o texano, os ciclistas africanos poderiam muito bem ser cada vez mais numerosos. « O ciclismo é muitas coisas, mas é principalmente um desporto de resistência », disse ele no seu podcast antes de elaborar. É certamente também um desporto onde se tem de… manter a posição e evitar quedas, mas se olharmos para um desporto de resistência comparável como as maratonas, sabemos de onde vêm os atletas que dominam », acrescentou ele. Não creio que seja tão rebuscado pensar que os quenianos, ugandeses e eritreus podem ser bem sucedidos neste desporto desde que possam manter-se à frente da corrida e evitar cair. Conhecemos a sua predisposição para os desportos de resistência ».

Cinco negros africanos em 500…

Desde Daniel Teklehaimanot, dois outros ciclistas eritreus participaram no Tour de France: Merhawi Kudus, da equipa Astana, que também estava no início do Tour de 2015, mas começou 44 minutos depois do seu compatriota na prova do tempo de abertura, e Natnael Berhane, que participou no Tour de 2016 e 2019 com Dimension Data e depois Cofidis. De momento, a proporção de ciclistas africanos negros no pelotão é muito baixa. Dos 500 ciclistas do World Tour, existem apenas cinco.

https://www.moz.life/mozbox/produit/wonna-bay-vila-quarto-catembe/

« Com competências iguais, uma equipa europeia preferiria contratar um italiano ou um francês do que um eritreio. Mas também com competências diferentes! Esta discriminação não se baseia tanto na cor da pele como na recusa de lidar com procedimentos administrativos », lamentou ao Le Temps o sul-africano Rob Hunter, o primeiro africano a ganhar uma etapa do Tour em 2007. As equipas não querem passar tempo a lidar com a questão dos vistos. No entanto, não é assim tão complicado. Tsgabu Grmay da Etiópia vive em Espanha, Natnael Berhane da Eritreia em Itália. No fim de contas, a escolha das equipas é realmente uma questão de discriminação.

leave a reply