Internacional/Europa-Viktor Orban: A Hungria de Viktor Orban, afastada dos valores europeus, vai assumir a direção da UE

(FILES) Hungary's Prime Minister Viktor Orban arrives for a meeting as part of a European Union (EU) summit at EU Headquarters in Brussels on March 25, 2022. After months of treating the European Union with all the evils, Hungarian Prime Minister Viktor Orban takes the rotating presidency on Monday, July 1, 2024, more isolated than ever by his position on the war in Ukraine. (Photo by JOHN THYS / AFP)

Se a Hungria se candidatasse hoje à adesão à União Europeia, é provável que o seu pedido fosse rejeitado com base em violações do Estado de direito. Para a sua presidência da UE, a Hungria promete, no entanto, ser « imparcial ».

A partir de hoje, a Hungria de Viktor Orban vai assumir o leme da União Europeia. Mais concretamente, a presidência semestral rotativa do Conselho da União Europeia. Mas o euroceticismo de Budapeste não é suscetível de tranquilizar os seus parceiros. Viktor Orban é um pouco como o aluno do fundo da sala, que faz o que lhe apetece, diz ao professor para se meter na sua vida e ridiculariza as advertências.

O chefe de Governo húngaro não é o mais construtivo dos 27. Da independência do poder judicial à ajuda à Ucrânia, da imigração aos direitos das comunidades LGBT, a lista de questões em que a Hungria se afastou dos valores europeus é longa e valeu-lhe sanções sem precedentes. Dezanove mil milhões de euros em fundos devidos à Hungria continuam bloqueados devido ao seu desrespeito pelo Estado de direito. Se o país fosse hoje candidato a membro da União Europeia, é provável que a porta lhe fosse batida na cara.

Viktor Orban também tenta regularmente bloquear as decisões dos 27. Por vezes, usa o seu direito de veto ou obstrui a arbitragem durante meses a fio. A sua posição pró-Kremlin não ajuda em nada. No final de maio, o ministro lituano dos Negócios Estrangeiros lamentou que « cerca de 40% das decisões dos 27 sobre a Ucrânia tenham sido bloqueadas » devido à posição do líder ultraconservador. No entanto, as coisas mudaram um pouco: na terça-feira, a Hungria aceitou finalmente abrir negociações de adesão com Kiev. Um « momento histórico » que irá redesenhar o mapa geopolítico do continente, mas a Hungria aceitou não fornecer armas e continua a paralisar a ajuda militar europeia. O envelope de mais de seis mil milhões e meio de euros continua, por enquanto, na gaveta.

Para a sua presidência da União Europeia, a Hungria promete jogar o jogo e ser « imparcial ». O seu slogan, « Make Europe Great Again », é uma cópia perfeita do « Make America Great Again » (MAGA) do antigo Presidente dos EUA, Donald Trump, que não está propriamente em voga em Bruxelas. O seu poder para causar problemas será mínimo, uma vez que, nos próximos seis meses, os 27 estarão preocupados com a distribuição de cargos e a nomeação da nova Comissão. A atividade legislativa será relativamente calma. No entanto, Viktor Orban, tal como a italiana Giorgia Meloni, aguarda com expetativa o resultado das eleições legislativas em França. Espera ter mais um aliado no seu grande projeto de unir a extrema-direita e transformar radicalmente a União Europeia, devolvendo o poder às nações.

Em Budapeste, o Governo quer tranquilizar, afirmando que está pronto a assumir « as obrigações e responsabilidades » da sua missão, que decorre até dezembro. « Actuaremos como um mediador imparcial, em total lealdade para com todos os Estados-Membros », afirmou o ministro dos Assuntos Europeus, Janos Boka, quando apresentou o programa em meados de junho. Ao mesmo tempo », acrescentou, « a Hungria vai aproveitar a oportunidade para destacar a sua « visão da Europa ».

Sobre o Estado de direito, a imigração e o conflito na Ucrânia, a Hungria pretende fazer ouvir a sua voz dissonante, que tem levado a repetidos conflitos com os seus parceiros e ao congelamento de milhares de milhões de euros de fundos europeus.

Publicidade_Página Home_Banner_(1700px X 400px)

Anuncie aqui: clique já!

Após a última presidência magiar da UE, em 2011, Viktor Orban gabou-se de ter dado « bofetadas amigáveis, bofetadas e bofetadas na cara » aos « carrascos excitáveis » do Parlamento Europeu, que considerava um antro de « liberais e esquerdistas ».

Desta vez, o veterano de 61 anos parece ainda mais combativo, entre denegrir a « elite tecnocrática » de Bruxelas e vetar uma série de medidas nos últimos meses para bloquear a ajuda militar a Kiev. Prometeu « ocupar Bruxelas » após as eleições europeias, que qualificou de « históricas », mas, apesar de a extrema-direita ter subido nas sondagens de 9 de junho, o maremoto não se concretizou.

E Viktor Orban não conseguiu influenciar os principais cargos da UE: apesar da sua oposição, os dirigentes concordaram em reconduzir Ursula von der Leyen na presidência da Comissão. Por coincidência, o líder alemão adiou por tempo indeterminado a visita a Budapeste, inicialmente prevista para esta semana, para dar início à Presidência.

Quanto ao Parlamento Europeu, o primeiro-ministro húngaro está longe de o ter conquistado: perdeu deputados e o seu partido Fidesz continua entre os não-inscritos. No entanto, estão em curso negociações com os outros partidos da Europa Central.

Orban anunciou no domingo, a partir de Viena, a sua intenção de formar um grupo « Patriotas pela Europa », juntamente com o líder do partido nacionalista austríaco FPÖ, Herbert Kickl, e o eurocético antigo primeiro-ministro checo Andrej Babis, fundador do movimento centrista ANO. O grupo precisa ainda de obter apoio em quatro outros países antes de poder formar uma fação de pleno direito.

Isto deverá dar o tom antes do início de uma Presidência centrada em sete prioridades, incluindo o reforço da « competitividade económica » do bloco, um melhor combate à « imigração ilegal » e a aproximação dos países dos Balcãs Ocidentais à adesão à UE. Embora Budapeste anuncie « uma presidência ativa », os especialistas não esperam um programa muito completo, numa altura em que a nova Comissão tem de se orientar. Viktor Orban vai, sem dúvida, tentar obstruir certos dossiers e flexibilizar as restrições ao Estado de direito, para recuperar fundos europeus, mas « a sua margem de manobra é limitada », diz Daniel Hegedus, investigador do grupo de reflexão do German Marshall Fund.

A presidência rotativa permite ao país que a detém controlar a agenda das reuniões dos 27, um poder significativo mas não absoluto, de acordo com vários diplomatas europeus. A Bélgica e as instituições europeias têm trabalhado arduamente para finalizar decisões importantes e « limitar a instabilidade desta forma », disse um analista à AFP. Foi aprovado um novo pacote de sanções contra a Rússia e foram oficialmente abertas negociações de adesão descritas como « históricas » com a Ucrânia – duas decisões que Viktor Orban desaprova.

Apesar do seu poder limitado para causar problemas, a Hungria não hesitará em fazer uma « comunicação provocadora », segundo Hegedus. O slogan da Presidência já causou agitação: « Make Europe Great Again », ecoando o lema do antigo Presidente dos EUA, Donald Trump, que o primeiro-ministro húngaro espera ver reeleito em novembro.

leave a reply