Golpe de Estado no Burkina Faso: Presidente demite-se, diz a televisão pública

O canal da RTP publicou uma carta manuscrita assinada por Marc Roch Christian Kaboré, na qual ele dizia estar « a apresentar a sua demissão ». Os militares tinham anunciado anteriormente que tinham tomado o poder.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

No rescaldo do que se revelou ser um golpe de Estado no Burkina Faso, uma pergunta permaneceu na noite de segunda-feira, 24 de Janeiro: onde está o Presidente Roch Marc Christian Kaboré? A televisão pública Burkinabe RTB publicou uma carta manuscrita assinada pelo chefe de estado, na qual ele dizia estar « a apresentar a sua demissão », « no melhor interesse da nação, na sequência dos acontecimentos que têm tido lugar » desde domingo.

Soldados fardados tinham anunciado anteriormente, também na televisão pública, que tinham tomado o poder, mergulhando o país saheliano, que é atormentado por constantes ataques jihadistas, numa nova crise.

O Movimento Patriótico de Salvaguarda e Restauração (MPSR), « que reúne todos os componentes das forças de defesa e segurança, decidiu assim pôr fim ao poder do Sr. Marc Roch Christian Kaboré a 24 de Janeiro de 2022 », anunciou o Capitão Kader Ouedraogo, rodeado por cerca de 15 soldados na televisão. Os militares limitaram-se a afirmar que « as operações tiveram lugar sem derramamento de sangue e sem qualquer violência física contra os detidos, que estão detidos num local seguro com respeito pela sua dignidade », sem mencionar quaisquer nomes.

Fronteiras fechadas e recolher obrigatório

Na segunda-feira de manhã, vários jornalistas tinham visto três veículos perto da residência do chefe de estado carregados de balas. Vestígios de sangue eram visíveis em um deles. Foram ouvidos tiros no domingo à noite perto da residência do chefe de estado e um helicóptero sobrevoou a área com todas as luzes apagadas, de acordo com os residentes.

Na conta do Sr. Kaboré no Twitter, uma mensagem publicada no início da tarde de segunda-feira, que era impossível saber se tinha sido escrita directamente por ele, ou em que circunstâncias, convidava « aqueles que pegaram em armas a depô-las no melhor interesse da nação » e apelava ao « diálogo e à escuta ».

Como resultado deste golpe iniciado no domingo por motins no quartel do país, as fronteiras terrestres e aéreas foram encerradas desde a meia-noite, o governo e a Assembleia Nacional dissolvidos, e a Constituição « suspensa ».

Um recolher obrigatório foi introduzido das 21h às 5h em todo o país, Kader Ouedraogo continuou, lendo uma declaração assinada pelo líder do MPSR, Tenente-Coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba, comandante da 3ª região militar, que parece ser o novo homem forte do país.

O MPSR comprometeu-se na segunda-feira « a propor dentro de um prazo razoável (…) um calendário para o regresso a uma ordem constitucional aceite por todos ». Apela « aos patriotas, aos africanos íntegros e a todos os amigos do Burkina Faso para que o apoiem e acompanhem nesta viragem decisiva na história do nosso país.

leave a reply