Moçambique: A activista climática moçambicana Anabela Lemos recebe o Prémio Per Anger do governo sueco para os direitos humanos e a democracia.

Anabela Lemos, defensora ambiental de Moçambique, foi galardoada este ano com o Prémio Per Anger, o prémio internacional do governo sueco para os direitos humanos e a democracia. Lemos recebe o prémio pela sua luta pelos agricultores forçados a abandonar as suas casas para dar lugar à exploração de gás e à extracção de carvão. O prémio será entregue pela Ministra da Cultura Jeanette Gustafsdotter no dia 31 de Março.

Há mais de 20 anos que a vencedora do Prémio Anabela Lemos luta pela justiça climática em Moçambique. Apesar de receber ameaças, ela continua a tomar uma posição contra empresas multinacionais que exploram as terras dos pequenos agricultores e os forçam a abandonar as suas terras.

  • Os agricultores não têm direitos, nem a oportunidade de dizer « não, não na minha terra ». Os direitos humanos, bem como o estado do ambiente e do clima, pioraram durante os últimos anos. É contra isto que estamos a lutar, diz Anabela Lemos.

Durante muito tempo, Lemos tem sido uma voz forte para as pessoas que vivem na pobreza e que perderam o direito à habitação e à subsistência. Ela dirige o grupo ambiental Justiça Ambiental (Amigos da Terra Moçambique) e é uma força motriz nos protestos contra a extracção de gás natural em Cabo Delgado, no Norte de Moçambique, uma região onde a maioria da população vive em extrema pobreza.

O vencedor do prémio também aumentou a consciência global em torno de vários outros projectos que destroem o clima. Os seus esforços abrandaram muitos processos e contribuíram para responsabilizar as empresas responsáveis. Ao longo dos anos, o seu trabalho tem significado uma maior protecção legal para as pessoas que têm estado expostas à exploração das suas terras.

Esta é a primeira vez que o Prémio Per Anger é atribuído a uma defensora ambiental.

  • Anabela Lemos está empenhada numa luta contra as injustiças ambientais que afectam as pessoas vulneráveis. O facto de um defensor ambiental receber o prémio mostra que a justiça climática é também uma questão de direitos humanos. Eles estão ligados e são um dos grandes desafios do nosso tempo, diz Caroline Källner, superintendente em exercício do Fórum de História Viva.

O Prémio Per Anger é o prémio internacional do governo sueco para os direitos humanos e a democracia. O prémio foi criado em 2004 para chamar a atenção para o grande trabalho do diplomata Per Anger durante a Segunda Guerra Mundial, quando salvou os judeus húngaros do Holocausto. O Fórum de História Viva foi encomendado pelo governo sueco para atribuir o prémio anual.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply

Feelnews

Notícias imperdíveis