África/Níger: o exército francês discute com os golpistas a “retirada de alguns” dos seus soldados

A partida foi exigida pelos generais que tomaram o poder no Níger no final de julho, através de um golpe de Estado, antes de denunciarem vários acordos de cooperação militar com Paris, a 3 de agosto.

Sob pressão dos putschistas, estão em curso conversações entre Paris e Niamey sobre a partida dos 1500 militares franceses destacados no âmbito da luta contra o terrorismo, anunciaram as autoridades francesas na terça-feira, 5 de setembro.

A partida dos soldados franceses em missão no Níger está a tornar-se mais clara. “Começaram as discussões entre os exércitos nigerino e francês sobre a retirada de certos elementos militares”, declarou o Ministério francês das Forças Armadas na terça-feira, 5 de setembro. No entanto, não especificou quais dos 1500 soldados destacados no país saheliano para apoiar a luta contra os jihadistas seriam afectados.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

A partida foi exigida pelos generais que tomaram o poder no Níger no final de julho, através de um golpe de Estado, antes de denunciarem vários acordos de cooperação militar com Paris, a 3 de agosto. Desde então, os exércitos franceses deixaram de apoiar os seus homólogos nigerinos no terreno. Por conseguinte, “colocou-se a questão da manutenção de algumas das nossas forças”, segundo o Ministério das Forças Armadas francês, nomeadamente as unidades responsáveis pela manutenção de equipamentos que não são utilizados no terreno há mais de um mês, como drones, helicópteros e aviões de combate.

Na segunda-feira, o primeiro-ministro do Níger, Ali Mahaman Lamine Zeine, nomeado pelos militares no poder, declarou numa conferência de imprensa que as “trocas em curso deveriam permitir muito rapidamente” a retirada dos soldados franceses.No entanto, Ali Mahaman Lamine Zeine garantiu à imprensa que o seu governo espera “se possível, manter a cooperação com um país com o qual partilhámos muito”.

A França, antiga potência colonial, não reconhece as novas autoridades de Niamey e mantém o seu embaixador em Niamey, apesar das injunções das novas autoridades que destituíram o Presidente Mohamed Bazoum, que exigem também a sua saída.

Santuário jihadista

Até agora, Paris excluiu a possibilidade de uma retirada militar do Níger, onde 1.500 soldados e aviadores estão destacados ao lado dos nigerianos na base aérea de Niamey e em Ouallam e Ayorou.

Estão a operar na chamada zona das “três fronteiras” entre o Níger, o Burkina Faso e o Mali, que serve de santuário para os jihadistas do grupo Estado Islâmico.Este fim de semana, dezenas de milhares de manifestantes reuniram-se em frente à base militar de Niamey para exigir a partida dos soldados franceses e mostrar o seu apoio à junta no poder.

leave a reply