Covid-19: Omicron e Delta aumentam a pressão sobre « sistemas de saúde à beira do colapso », preocupa a OMS

A pandemia de Covid-19 já matou mais de 5,4 milhões de pessoas em todo o mundo desde que o escritório da Organização Mundial de Saúde (OMS) na China comunicou o surto da doença no final de Dezembro de 2019 naquele país, segundo um relatório compilado na quarta-feira 29 de Dezembro pela Agence France-Presse (AFP) de fontes oficiais.

Os Estados Unidos são, segundo estas fontes, o país mais enlutado com quase 821.000 mortes registadas oficialmente, à frente do Brasil (618.000), Índia (480.000) e Rússia (307.000). A OMS estima que o número global de mortos da pandemia poderá ser duas a três vezes superior, de 10 a 15 milhões, tendo em conta as mortes adicionais directa e indirectamente ligadas ao Covid-19.

O mundo atingiu novos limiares para os casos Covid-19 na semana passada, com mais de 935.000 casos registados por dia em média de 22 a 28 de Dezembro (mais de 6,5 milhões de casos acumulados durante a semana), de acordo com uma contagem de AFP baseada em registos oficiais.

OMS preocupada com o facto de a Omicron estar « a causar um tsunami de casos

A OMS disse na quarta-feira que estava « muito preocupada com o facto de o Omicron mais transmissível, que circula ao lado da Delta, estar a causar um tsunami de casos. Isto está a colocar e continuará a colocar imensa pressão sobre os trabalhadores de saúde exaustos e os sistemas de saúde à beira do colapso.

« A pressão sobre os sistemas de saúde não se deve apenas aos novos pacientes Covid-19 que necessitam de hospitalização, mas também ao facto de muitos trabalhadores da saúde estarem eles próprios a adoecer », advertiu o Director-Geral da OMS Tedros Adhanom Ghebreyesus numa conferência de imprensa. Também assinalou que as pessoas não vacinadas têm muito mais probabilidades de morrer de qualquer uma das variantes.

« O populismo, o nacionalismo estreito e o açambarcamento de material médico – incluindo máscaras, terapêutica, instrumentos de rastreio e vacinas – por um pequeno número de países minaram a equidade e criaram condições ideais para o surgimento de novas variantes », disse o chefe da OMS.

Vários países estabeleceram novas restrições


A China, que está a sofrer uma epidemia menos de quarenta dias antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, confinou várias dezenas de milhares de pessoas na terça-feira. Depois da cidade de Xi’an (norte), que esteve sob quarentena rigorosa durante uma semana e está agora a passar por dificuldades de abastecimento, várias dezenas de milhares de residentes de um distrito da cidade de Yan’an, a 300 quilómetros de Xi’an, foram avisados na terça-feira para ficarem em casa, uma vez que as empresas tiveram de fechar. O país comunicou 209 novos casos em 24 horas na terça-feira, o número mais elevado em 21 meses.

Na Grécia, onde todas as reuniões públicas para 31 de Dezembro foram canceladas, o governo anunciou uma nova ronda de restrições na quarta-feira. A partir de quinta-feira, o número de pessoas à mesa será limitado a seis em « restaurantes e entretenimento », e a música será proibida, anunciou o Ministro da Saúde grego Thanos Plevris. Os bares e restaurantes terão de fechar à meia-noite, excepto na véspera de Ano Novo, quando podem ficar abertos até às duas da manhã. O teletrabalho será aumentado, e será obrigatório para o pessoal que trabalha no sector da restauração usar máscaras FFP2 ou duas máscaras cirúrgicas uma em cima da outra, bem como quando se deslocar ao supermercado ou em transportes públicos.

A África do Sul, que tinha anunciado na semana passada o fim do rastreio de contactos para pessoas com testes positivos para o Covid-19, inverteu esta decisão. Depois de anunciar várias medidas na segunda-feira, o governo decidiu na quarta-feira prolongar o encerramento das discotecas, em vigor desde 10 de Dezembro, por três semanas em Janeiro.

leave a reply