Guerra Na Ucrânia: A Ucrânia continua a resistir, em breve será armada pela União Europeia

450 milhões de euros de equipamento serão entregues pela União Europeia às forças armadas ucranianas. Este é um sinal de um compromisso para além das sanções financeiras dos 27, que também proibiram as aeronaves russas do seu espaço aéreo e impediram a Rússia Today e o Sputnik de transmitirem no seu território.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

« A Europa acorda », lê a manchete no El Mundo. O diário espanhol refere-se ao anúncio da União Europeia no domingo de que iria comprar e entregar armas à Ucrânia, cinco dias após o início da invasão russa. Esta é a « primeira vez na sua história » que a UE assiste um país sob ataque desta forma, diz o jornal, citando Josep Borell, o alto representante da UE para os negócios estrangeiros: « Hoje em dia é quebrado um tabu, a saber, que a UE não fornece armas numa guerra. Sim, vamos. Esta guerra exige o nosso esforço para apoiar o exército ucraniano. Isto significa o equivalente a 450 milhões de euros na compra de equipamento letal e outros 50 milhões para recursos tais como combustível ou dispositivos de comunicação.

A UE também decidiu proibir a difusão da Rússia Today e do Sputnik, dois meios de comunicação social próximos do Kremlin, para « pôr fim à manipulação » e à « desinformação tóxica », explicou Ursula von der Leyen, a Presidente da Comissão Europeia. O espaço aéreo europeu também foi fechado a todas as aeronaves que voam de ou para a Rússia.

Se o facto de a Alemanha ter decidido aumentar significativamente o seu orçamento de despesas no domingo causou muita conversa, a Suécia neutra também se distinguiu ao enviar à Ucrânia 5.000 lança-foguetes anti-tanque, 5.000 capacetes e 5.000 coletes à prova de bala. Esta é a primeira vez desde 1939 e a agressão russa na Finlândia, de acordo com a emissora pública SVT.

Outra « decisão histórica », mencionada por El Pais, é que a Comissão Europeia irá activar uma directiva « nunca antes utilizada » que permite a entrada de um número ilimitado de pessoas no território da UE, enquanto mais de 365.000 refugiados já deixaram a Ucrânia, segundo as Nações Unidas.

Todas estas medidas fazem o Politico dizer que Vladimir Putin « tornou a UE grande novamente », parafraseando Donald Trump. O presidente russo « conseguiu fazer o impossível: criar uma verdadeira unidade europeia », de acordo com o site. Aquele que pensava que iria dividir e conquistar « como fez com sucesso noutras frentes durante anos » finalmente « criou o maior desafio que a sua hegemonia enfrentou: um continente unido ».

Contudo, adverte Le Temps num editorial, ao adoptar « uma postura guerreira » para além das sanções financeiras, que não eram « um muro intransponível para o Kremlin », os 27 estão a assumir um risco. « Esta guerra que os europeus são agora forçados a travar, porque tem lugar nas suas fronteiras, (…) não pode, como no passado durante o desmembramento da ex-Jugoslávia, ser considerada como uma única crise humanitária. Esta guerra está em curso. Deve ser ganho », insiste o diário, que convida a Suíça a juntar-se a este esforço.

Um dos riscos é a ameaça nuclear emitida no domingo pelo chefe de Estado russo. É unanimemente interpretado como um sinal de que « as coisas não estão a correr como o líder muito confiante tinha planeado » (Washington Post) ou que ele está « sob pressão » (Frankfurter Allgemaine Zeitung).

leave a reply