Guerra na Ucrânia: Olhamos a televisão russa, uma « máquina de fazer zombies ».

A propaganda do Kremlin multiplica as teorias fantasiosas sobre os « ukronazis » no regime de Kiev e a encenação de massacres pelo Ocidente.

60 Minutos, o programa emblemático do canal público russo Rossia 1, começa como qualquer outro programa noticioso, com um jingle cativante e animação 3D. Durante quase duas horas, duas vezes por dia, um duo de apresentadores, Olga Skabeyeva e Evgeny Popov, revêem as notícias do dia. O programa é um dos pontos altos da propaganda televisiva russa, o « zomboyachik », a « fábrica de zombies », como os opositores de Vladimir Putin lhe chamam, pelo que institucionalizada é a lavagem ao cérebro. Desde o início da « operação militar especial », apenas a guerra na Ucrânia tem sido tratada, de todos os ângulos. O tom é marcial e sarcástico para com os odiados ocidentais; sério e respeitoso quando se trata do exército russo ou de Putin.


Na noite de terça-feira 12, por exemplo, uma longa sequência é dedicada à atitude dos líderes europeus. Boris Johnson em visita a Kiev? « Ele tem outras coisas a fazer, dado o preço da gasolina no seu país », ri-se Popov. Os Estados Unidos: « Eles não querem saber da Europa, tal como não querem saber da Ucrânia. Eles só querem saber de Manhattan », afirma, acompanhado por um riso de aprovação de Skabeyeva. O facto de a União Europeia continuar a comprar gás russo? Prova da sua « hipocrisia » e fraqueza. Os ocidentais, como se vê pela propaganda russa, são simultaneamente decadentes e nazis, patéticos e desonestos, calculistas e em pânico perante o poder russo.

O massacre de Boutcha torna-se « uma abominável provocação

O tom é bastante diferente quando se trata de Vladimir Putin, cujo discurso recente no cosmódromo da Vostochny estrutura todo o programa. O presidente russo é citado extensivamente, sem a sombra de uma precaução oratória. « Os europeus não são mais que os vassalos dos Estados Unidos », diz Putin. « É exactamente isso », diz Skabeyeva, antes de entregar a um convidado, um membro do parlamento russo, que veio denunciar o triunfo na Europa do « duplo pensamento orwelliano » e o desejo ocidental de « transformar a Ucrânia num Banderastan », com o nome de Stepan Bandera, um nacionalista ucraniano e colaborador dos nazis durante a Segunda Guerra Mundial, cuja sombra maligna o Kremlin vê em toda a Ucrânia. Ninguém o contradiz: no cenário, os apresentadores e convidados acenam com a cabeça sentenciosamente.

Se as acusações de crimes de guerra contra a Rússia forem evocadas, é melhor dar-lhes a volta. O massacre de Boutcha tornou-se, no tom da certeza absoluta, « uma abominável provocação ». Tal como, há algumas semanas atrás, o bombardeamento da maternidade de Marioupol foi apresentado sem vergonha como um evento encenado. A lógica é simples: o exército russo não visa os civis, pelo que qualquer ataque contra eles só pode ser uma mascarada organizada pelos « ukronazis », « o regime de Kiev », « o banditismo », os « neonazis do regimento Azov » que « usam os civis de Mariupol como escudos humanos », sob as ordens dos « oficiais americanos escondidos nas catacumbas da cidade ».

« Não sabemos toda a verdade

A propaganda russa vai ainda mais longe: não só a Rússia não é culpada de qualquer crime de guerra, como « cientistas americanos realizaram testes de armas químicas em pacientes em hospitais psiquiátricos na Ucrânia », disse na quinta-feira 14 de Abril um porta-voz do Ministério da Defesa russo, e isto foi amplamente noticiado nos meios de comunicação oficiais. Na semana passada, o canal de notícias 24 horas Rossia 24 afirmou ter identificado nada menos que 30 « laboratórios biológicos » americanos em território ucraniano. Na semana anterior, foi a possibilidade de um ataque nuclear ucraniano à Rússia que agitou os meios de comunicação oficiais.

O efeito é formidável: ao ir, de uma semana para outra, cada vez mais longe na mentira, os propagandistas russos tomam por certo as suas mentiras da semana anterior e gradualmente impõem uma narrativa. Não importa que este emaranhado de teorias ilusórias não retenha água. Os nacionalistas raivosos só precisam de ser convencidos. Para os outros, a maioria da população, o importante talvez não seja tanto convencê-los da veracidade de uma determinada versão, mas fazê-los duvidar de tudo. Encontrarão justificação para a sua passividade, e podem continuar a dizer « não é tão óbvio » ou « não sabemos toda a verdade », o lema não oficial da « máquina de fazer zombies » do Kremlin.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply