Internacional/Horror em Nigéria: 32 Mortes em Ataques Suicidas do Boko Haram

Vários atentados suicidas em Gwoza, no nordeste da Nigéria, causaram a morte de pelo menos 32 pessoas e dezenas de feridos, atribuídos ao Boko Haram. Apesar da perda de território, o grupo jihadista continua a efetuar ataques violentos na região.

Pelo menos 32 pessoas foram mortas e muitas ficaram feridas no sábado na cidade de Gwoza, no Estado de Borno, no nordeste da Nigéria, em quatro ataques suicidas quase simultâneos.

« Até agora, 32 pessoas perderam a vida. 42 (feridos) foram trazidos de Gwoza », disse o vice-presidente Kashim Shettima, durante uma visita a um hospital em Maiduguri, a capital do Estado de Borno, onde alguns dos feridos estão a ser tratados. O vice-presidente nigeriano acrescentou que 26 pessoas ainda se encontram hospitalizadas.

Pelo menos três dos quatro ataques foram levados a cabo por mulheres-bomba. Estes ataques fazem lembrar os métodos brutais do Boko Haram, um grupo jihadista muito ativo nesta região fronteiriça com os Camarões. O Boko Haram utiliza frequentemente mulheres bombistas suicidas para atacar locais públicos como mercados, escolas, mesquitas, igrejas e ajuntamentos de civis, na sua tentativa de estabelecer um califado nesta parte da Nigéria.

Esta vaga de atentados suicidas apanhou de surpresa os habitantes e as autoridades, uma vez que os últimos ataques deste tipo ocorreram há vários anos: « Ninguém estava à espera disto », disse à AFP Emeka Okoro, analista da SBM Intelligence.


Este fim de semana, uma série de explosões atingiu um casamento, matando inicialmente 6 pessoas. Seguiram-se outras explosões, provocadas por bombistas suicidas, incluindo uma mulher com um bebé ao colo. Estes ataques mataram 32 pessoas, incluindo crianças e mulheres grávidas, e feriram gravemente muitas outras, que foram evacuadas para Maiduguri.

Segundo o analista Emeka Okoro, existe « uma probabilidade muito elevada de que ocorram outros ataques semelhantes nos próximos dias ou semanas ». Perante esta possibilidade, apela-se à vigilância: « Este é um alerta para todos nós no Estado de Borno, não devemos abrandar os nossos esforços em matéria de segurança », declarou Mohammed Ali Ndume, senador pelo Estado de Borno, no domingo, durante uma visita ao hospital de Maiduguri.

A violência jihadista, que dura há 15 anos, já causou mais de 40.000 mortos e deslocou cerca de dois milhões de pessoas no nordeste do país.

Publicidade_Página Home_Banner_(1700px X 400px)

Anuncie aqui: clique já!

leave a reply