Mundo: Mais de 100 milionários pedem impostos mais elevados para reduzir a desigualdade

Mais de 100 milionários dizem que os actuais sistemas fiscais não são « justos » e que o aumento dos impostos sobre a riqueza ajudaria a reduzir as desigualdades tornadas ainda mais gritantes pela pandemia, informou a France 24 a 19 de Janeiro.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

Milionários de todo o mundo assinaram uma carta aberta apelando aos governos para os tributar a taxas mais elevadas. A carta foi colocada online na quarta-feira, a meio do fórum de Davos, que se realiza exclusivamente online este ano devido a restrições sanitárias ligadas ao Covid-19. Os signatários da carta – uma iniciativa dos grupos anti-qualidade Patriotic Millionaires, Millionaires for Humanity e TaxMeNow – dizem que os actuais sistemas fiscais são « não justos ».

« Embora o mundo tenha sofrido enormemente durante os últimos dois anos, a maioria de nós viu a nossa riqueza aumentar durante a pandemia. No entanto, poucos, se é que alguns, de nós podem dizer que pagam a sua quota-parte de impostos. [… Todos os países do mundo devem exigir que os ricos paguem a sua quota-parte justa », escrevem os milionários, que vêm dos EUA, Reino Unido, Alemanha, Canadá, Dinamarca, Áustria, Holanda, Noruega e Irão.

A declaração conjunta vem no seguimento do relatório anual da Oxfam, que detalha como a pandemia exacerbou a desigualdade de rendimentos em todo o mundo. Por exemplo, embora 160 milhões de pessoas tenham caído na pobreza desde a pandemia, a riqueza combinada dos dez homens mais ricos do mundo duplicou. Um imposto anual sobre os mais ricos angariaria 2520 mil milhões de dólares por ano, segundo uma análise conjunta da Fight Inequality Alliance, do Institute for Policy Studies, da Oxfam e da Patriotic Millionaires.

Os resultados baseiam-se numa taxa de imposto de 2% sobre a riqueza superior a 5 milhões de dólares, 3% sobre a riqueza superior a 50 milhões de dólares e 5% sobre a riqueza superior a mil milhões de dólares. Os fundos angariados seriam então suficientes para produzir, por exemplo, vacinas suficientes para todo o mundo, e proporcionar uma cobertura sanitária universal e protecção social para os 3,6 milhões de cidadãos dos países com rendimentos mais baixos.

leave a reply