CIÊNCIA: O que sabemos sobre o submarino desaparecido que foi explorar o “Titanic”

O submersível, utilizado por uma empresa privada, desapareceu durante uma viagem para explorar o famoso transatlântico que se afundou em 1912.

Na segunda-feira, 19 de junho, a guarda costeira dos Estados Unidos procurava o Titan, um pequeno submarino turístico que desapareceu no Oceano Atlântico, ao largo da costa da América do Norte, durante uma expedição à zona onde o Titanic se afundou com cinco pessoas a bordo.

Missão de busca e resgate lançada

O submarino desapareceu ao largo da costa do Canadá durante uma viagem organizada para se aproximar dos destroços do Titanic. A empresa privada que operava o submersível, a OceanGate Expeditions, anunciou na segunda-feira, 19 de junho, num comunicado divulgado pela BBC, que estava a “explorar e a mobilizar todas as opções” para trazer a tripulação de volta a um local seguro.

John Mauger, chefe da Guarda Costeira dos EUA, confirmou numa conferência de imprensa na segunda-feira que três aviões americanos e dois canadianos estavam atualmente a trabalhar para encontrar o submarino. Estão a ser efectuadas inspecções à superfície e debaixo de água, utilizando bóias de sonar. A área de busca situa-se a mais de 1.400 quilómetros da costa de Massachusetts – e a uma profundidade de quase quatro quilómetros.

Leia também:


As buscas aéreas, que não tiveram êxito ao longo do dia, foram suspensas durante a noite, segundo um tweet da Guarda Costeira dos EUA por volta das 21 horas de segunda-feira.

Um porta-voz da Guarda Costeira dos Estados Unidos confirmou na segunda-feira à noite que cinco pessoas estavam dentro do submarino desaparecido. “A tripulação do Polar-Prince [um barco da empresa] perdeu o contacto com eles cerca de uma hora e quarenta e cinco minutos após o início do mergulho”, disse. As autoridades não confirmaram a identidade das pessoas a bordo.


“Estamos a concentrar-nos inteiramente nos membros da tripulação do submersível e nas suas famílias”, acrescenta a OceanGate Expeditions, que diz ter recebido “uma ajuda significativa” de “várias agências governamentais e empresas de águas profundas”.

— Porta-voz da Guarda Costeira dos Estados Unidos

Exploração a $250.000 por lugar

A OceanGate Expeditions, que confirmou recentemente nas suas redes sociais que uma das suas expedições estava “em curso”, está a cobrar 250.000 dólares (230.000 euros) por um lugar a bordo do seu submarino durante oito dias para ver o famoso naufrágio. Segundo a empresa, o submersível tem capacidade para cinco pessoas, incluindo um piloto, três passageiros pagantes e um “especialista”.

Na página do seu site que explica os pormenores das suas actividades, a OceanGate Expeditions confirmou a realização de uma missão de visita ao Titanic, de 12 a 20 de junho. O único avião da empresa capaz de chegar à profundidade do transatlântico é o Titan, “um submersível concebido para levar cinco pessoas a 4.000 metros de profundidade”, com uma autonomia de noventa e seis horas para uma tripulação de cinco pessoas. A OceanGate está a utilizar o Polar-Prince, um quebra-gelo anteriormente operado pela Guarda Costeira canadiana, para transportar dezenas de pessoas e o submersível para o local dos destroços.

Os destroços do Titanic encontram-se a 3810 metros (12 500 pés) abaixo da superfície do Atlântico, a quase 600 quilómetros da costa da Terra Nova, no Canadá. Em 1912, o transatlântico embateu num icebergue na sua viagem inaugural de Southampton para Nova Iorque. Dos 2.200 passageiros e tripulantes a bordo, mais de 1.500 morreram.

Esta expedição da OceanGate foi a terceira organizada no local do transatlântico naufragado para documentar a sua deterioração e a vida subaquática. A viagem deveria partir no início de maio de St John’s, Terra Nova e Labrador, e terminar no final de junho, de acordo com um documento judicial apresentado pela empresa em abril ao Tribunal Distrital da Virgínia, que preside aos casos do Titanic.

PUBLICIDADE

leave a reply