Covid-19 em Xangai: os EUA ordenam ao pessoal não essencial do consulado que deixe a cidade

A medical worker conducts COVID-19 tests for residents after a confirmed case was found in the community on Sunday, April 10, 2022, in Shanghai. (AP Photo/Chen Si)

O capital económico da China, que enfrenta o seu maior aumento de casos desde o início da pandemia, está sob estrito bloqueio.

Os Estados Unidos ordenaram na terça-feira aos funcionários não essenciais do seu consulado em Xangai que deixassem a cidade.

A capital económica chinesa está a enfrentar o seu maior surto desde o início da pandemia. As autoridades confinaram quase todos os 25 milhões de habitantes e estão a colocar em centros de quarentena aqueles que tiveram resultados positivos nos testes.

É neste contexto que o Departamento de Estado norte-americano « ordenou a partida [do seu pessoal] devido ao actual surto de Covid-19 », disse um porta-voz da embaixada norte-americana numa declaração.

Os diplomatas americanos também informaram as autoridades chinesas « das suas preocupações com a segurança e o bem-estar dos cidadãos dos EUA », afirma a declaração.

A China é um dos últimos países do mundo a aplicar uma estratégia rigorosa de Covid zero. Consiste em várias medidas: confinamento logo que surjam alguns casos, separação de pessoas que tenham tido resultados positivos em relação ao resto da população, vistos emitidos com uma pitada de sal, quarentena à chegada ao país e acompanhamento dos movimentos.

O Ministério da Saúde da China disse na terça-feira que mais de 23.000 novos casos positivos tinham sido relatados em Xangai. Quase todos os seus 25 milhões de habitantes estão ainda confinados às suas casas, com alguns a terem dificuldade em recolher alimentos. Muitos dos que tiveram resultados positivos foram também colocados em isolamento em grandes centros de quarentena instalados em salas de exposição ou estruturas pré-fabricadas.

Na semana passada, a Embaixada dos EUA já tinha anunciado que estava a « permitir » que o pessoal não essencial do consulado deixasse Xangai. Dizia também que os cidadãos norte-americanos corriam o risco de enfrentar uma « aplicação arbitrária » das restrições anti-Covid.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply