Moçambique: EUA dão barco de patrulha a Moçambique para melhorar a segurança marítima

Como parte do compromisso dos EUA de ajudar Moçambique a estabilizar a província de Cabo Delgado, onde se vive o conflito, o governo dos EUA doou esta semana um barco patrulha à marinha moçambicana. O barco de alta velocidade de 33 pés, avaliado em $700.000, será utilizado para interdições e operações de embarque marítimo. Além disso, os oficiais da Marinha moçambicana participarão na formação oferecida pelo fabricante norte-americano, SAFE Boat International.

A doação faz parte de um programa mais amplo de assistência à segurança liderado pelos EUA, concebido para aumentar a resistência da Marinha moçambicana no combate ao terrorismo e ao crime organizado transnacional no Canal de Moçambique. Estes programas incluem Educação e Formação Militar Internacional, três programas de Formação Conjunta de Intercâmbio Combinado, um programa de Manutenção Marítima e Assessoria Logística, e doações de equipamento concebido para melhorar, manter e apoiar a Marinha na execução da sua estratégia de defesa.

Estes esforços surgem num momento importante, uma vez que Moçambique está a emergir no palco internacional e prestes a tornar-se um fornecedor de gás natural para a Europa. O primeiro carregamento foi completado em meados de Novembro, proveniente do navio LNG flutuante Coral Sul, operado pela empresa multinacional italiana de energia Eni e sob contrato com a BP. Outros da indústria energética, incluindo ExxonMobil, CNPC da China, Galp de Portugal, Kogas da Coreia do Sul, e ENH de Moçambique, são parceiros nas operações de GNL.

Falando durante a cerimónia de entrega do navio em Maputo, a 7 de Dezembro, o Embaixador dos EUA em Moçambique, Peter Vrooman, afirmou: “Este navio irá reforçar a segurança marítima e permitir às forças navais responder a desafios e ameaças cada vez mais complexos. Oferecemos formação e oportunidades educacionais a soldados moçambicanos e americanos, marinheiros e fuzileiros navais que escolhem servir o seu país”. Juntos, estamos a trabalhar para um Moçambique mais forte e resiliente”.

Em Abril, o governo dos EUA anunciou Moçambique como um dos locais prioritários seleccionados para a Estratégia dos EUA para Prevenir Conflitos e Promover a Estabilidade. A estratégia delineia a cooperação com o governo moçambicano e a sociedade civil a nível nacional e local para investir em abordagens a longo prazo, lideradas localmente, para abordar as causas do conflito.

LEIA TAMBÉM

No auge da insurreição de Cabo Delgado em 2021, a agressão na região tornou-se uma séria ameaça à segurança marítima no Oceano Índico Ocidental. A certa altura, os insurgentes capturaram a cidade costeira de Mocimboa da Praia.

A cidade acolhe o porto, que serve as multinacionais de energia que actualmente exploram e produzem GNL na província rica em gás de Cabo Delgado. O porto de Mocimboa da Praia retomou oficialmente as operações na semana passada, após quase dois anos de encerramento.

O governo dos E.U.A. tem vindo a afirmar-se como um parceiro importante para os países do Oceano Índico Ocidental (WIO) no reforço da segurança marítima na região. Para além de Moçambique, os EUA estão também a expandir os seus esforços com a Somália, outrora o paraíso para os piratas, com novos programas para aumentar a capacidade interna da Somália para proteger as suas águas territoriais e combater a pesca ilegal.

L’attribut alt de cette image est vide, son nom de fichier est Mozbox-new-2-1024x341.jpg.

leave a reply