No Mali, o endurecimento da junta militar: « Se não estás connosco, estás contra nós

Prisões, condenações e linchamentos em redes sociais preocupam os opositores políticos, jornalistas e académicos.

Silêncio no fim do telefone. Desde o segundo golpe de Estado de 24 de Maio de 2021, que confirmou o controlo dos militares sobre a transição política do Mali, cada vez mais telefones têm vindo a tocar em Bamako. Políticos, intelectuais e líderes de opinião que discordam da linha do governo estão a manter um perfil baixo. « Não posso correr mais o risco de falar. Understand me », pede desculpa a um académico sediado na capital do Mali, depois de mais um lembrete.

Todos são unânimes: é cada vez mais difícil expressar uma opinião dissidente sem correr o risco de ser preso ou linchado em redes sociais », lamentou o perito independente das Nações Unidas em direitos humanos no Mali, Alioune Tine, do Senegal, na terça-feira 22 de Fevereiro, depois de regressar de uma missão de doze dias ao país. Este clima venenoso levou vários actores à auto-censura por medo de represálias por parte das autoridades de transição malianas e/ou dos seus apoiantes.

O « estreitamento do espaço cívico », como o enviado da ONU lhe chamou, tornou-se cada vez mais tangível nos últimos meses. Em primeiro lugar, em nome da luta contra a corrupção e de uma certa moralização da vida política, e em segundo lugar para preservar a unidade e soberania nacionais. A junta do Mali, encerrada numa crise multifacetada alimentada pelas tensões com a França e pelas sanções impostas pela Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), está agora a reunir-se em torno de uma única narrativa: a de um regime que trabalha, contra todas as probabilidades, para reconstruir o Mali. Um projecto titânico que exigiria a sua permanência no cargo para além do prazo inicialmente fixado para 27 de Fevereiro.

Num tribunal de Bamako, um magistrado entrevistado pelo Le Monde admite prontamente este « retiro da democracia ». « A sua concepção ilimitada de liberdade ao estilo francês não funciona aqui. A nossa sociedade tem uma cultura punitiva. Fomos obrigados a pôr fim a todos estes excessos em torno da liberdade de expressão », diz ele, considerando que cabe ao poder judicial desempenhar o papel de « pai chicoteador », mas não de « censor »: « Em Paris, pode precisar de instituições fortes. O Mali, precisa de um homem forte, um déspota iluminado. Voltaremos ao pluralismo assim que tivermos saído do abismo.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply