Países Baixos 3-2 Ucrânia: Anfitriões resistem a recuperação adversária e ganham perto do fim

Os Países Baixos tiveram de suar mais do que parecia ser necessário para somarem a sua primeira vitória em fases finais do EURO desde 2008. Denzel Dumfries marcou ao cair do pano o golo que decidiu o jogo, depois de a Ucrânia ter recuperado de dois golos de desvantagem.

O jogo em poucas palavras

O encontro começou a grande velocidade, num sinal do espectáculo que estava guardado para quem assistiu ao encontro em Amesterdão. Se o nulo persistia ao intervalo, era por culpa de uma defesa extraordinária de Georgiy Bushchan, a negar o golo a Gerodinio Wijnaldum, e ao desacerto dos anfitriões na finalização, com Denzel Dumfries entre os perdulários do primeiro tempo.

Curiosamente, Wijnaldum e Dumfries estiveram depois envolvidos no primeiro golo do encontro, já no segundo tempo, com Dumfries a cuzar, Bushchan a não conseguir afastar a bola e Wijnaldum a aproveitar para rematar certeiro.

E, quando pouco depois Wout Weghorst aproveitou nova iniciativa de Dumfries para elevar para 2-0, à passagem da hora de jogo, pensou-se que tudo estava decidido. Mas a Ucrânia tinha outras ideias e, com um grande golo de Andriy Yarmolenko e outro de Roman Yaremchuk, restabeleceu a igualdade, aos 79 minutos. Só que a última palavra iria pertencer a Dumfries, que a cinco minutos do fim cabeceou certeiro após cruzamento de Nathan Aké para o golo da vitória dos Países Baixos, o seu primeiro pela selecção do seu país.

Estrela do Jogo: Denzel Dumfries (Países Baixos)

“Ofereceu muita energia ao jogo, esteve envolvido nos lances dos dois primeiros golos da sua equipa e marcou ele mesmo o golo da vitória”
Frans Hoek, Observador Técnico da UEFA

Denzel Dumfries foi a “Estrela do Jogo”UEFA via Getty Images

Reacções

Frank de Boer, selecionador dos Países Baixos: “Sabíamos que a Ucrânia tinha uma boa equipa. Mesmo perante a nossa pressão, eles conseguiram sair a jogar várias vezes e criar algumas oportunidades. Do nosso lado, temos de tentar não permitir tantos lances perigosos ao adversário.”

Andriy Shevchenko, treinador da Ucrânia: “Foi um jogo disputado a uma velocidade alucinante e muito bom de assistir. Houve muitas oportunidades de parte a parte. Quero felicitar a minha equipa pela reacção que teve depois de se ver a perder por 2-0. Mostrámos que ainda não estava perdido.”

Andriy Yarmolenko, capitão da Ucrânia: “Foi um jogo difícil. Percebemos que tínhamos pela frente um adversário muito forte. A nossa equipa técnica ficou satisfeita com o que demos em campo, mas é sempre triste perder. Temos mais dois jogos nesta fase de grupo e temos de jogar com a mesma energia . Se nos conseguirmos apurar será fantástico”

Principais estatísticas

  • Foi a primeira vitória dos Países Baixos em fases finais do EURO desde 2008.
  • Este foi o jogo da história do EURO com mais golos de sempre depois de um 0-0 ao intervalo.
  • Antes deste jogo, Shevchenko era o único jogador ucraniano a ter marcado numa fase final do EURO.
  • Os Países Baixos só não venceram um dos 19 jogos em que Wijnaldum marcou.
  • Esta foi a décima ocasião em que a selecção “laranja” marcou três ou mais golos num jogo de uma fase final do EURO.

Equipas

Países Baixos: Stekelenburg; Dumfries, Timber (Veltman 88), De Vrij, Blind (Aké 64), Van Aanholt (Wijndal 64); F de Jong, De Roon, Wijnaldum; Depay (Malen 90+1), Weghorst (De Jong 88)

Ucrânia: Bushchan; Karavaev, Zabarnyi, Matviyenko, Mykolenko; Sydorchuk, Zinchenko, Malinovskyi; Yarmolenko, Yaremchuk, Zubkov (Marlos 13, Shaparenko 64)

O que se segue?

Ucrânia-Macedónia do Norte – Quinta-feira, 17 de Junho
Países Baixos-Áustria – Quinta-feira, 17 de Junho

leave a reply