Quénia: Raila Odinga, o eterno veterano e candidato presidencial mal sucedido

Antigo prisioneiro político que durante décadas encarnou a oposição ao poder, Raila Odinga acaba de sofrer uma quinta derrota, vencida por William Ruto numa dura corrida presidencial.

O candidato de 77 anos foi derrotado em 1997, 2007, 2013 e 2017, e « Baba » (« Papá » em Suaíli), como lhe chamam os seus apoiantes, permanece às portas da Casa de Estado, o palácio presidencial.

O candidato de 77 anos tinha recebido para esta eleição, que parecia ser a sua última oportunidade, o apoio do presidente cessante Uhuru Kenyatta. Mas a sua combatividade, que tem estado no centro da história recente do Quénia, não foi suficiente para conquistar a cobiçada vitória.

Envolvido desde o início dos anos 80 contra o regime de partido único, Raila Amolo Odinga foi detido arbitrariamente (quase oito anos, sem julgamento, entre 1982 e 1991), um breve exílio na Noruega, antes de entrar no Parlamento durante as primeiras eleições multipartidárias em 1992.

Foi durante as sucessivas eleições presidenciais que este líder da comunidade Luo se tornou um actor político fundamental, concorrendo sempre contra o governo.

O seu apoio a Mwai Kibaki nas eleições presidenciais de 2002 contribuiu para o fim do reinado de 24 anos do autocrata Daniel Arap Moi.

Em 2007, o seu desafio à reeleição de Kibaki – com quem tinha caído – mergulhou o país numa violência étnica sangrenta, deixando mais de 1.100 pessoas mortas e centenas de milhares deslocadas.

A crise foi resolvida por um acordo de partilha do poder, com o Sr. Odinga a herdar o cargo de Primeiro-Ministro (2008-2013). Durante este período, foi um dos arquitectos da Constituição de 2010, considerado um dos mais progressistas do continente.

Em 2013 e 2017, o seu adversário é Uhuru Kenyatta, com quem a rivalidade é histórica.

O seu pai, Jaramogi Oginga Odinga, foi o grande perdedor na luta pelo poder após a independência do Quénia em 1963, em benefício do primeiro presidente Jomo Kenyatta… O pai de Uhuru.

Em 2017, Raila Odinga teve as eleições invalidadas pelo Supremo Tribunal, uma estreia em África, à fúria de Uhuru Kenyatta, que tinha saído à frente. Este último foi reeleito algumas semanas mais tarde, num novo boicote de votos, pelo Sr. Odinga.

Contestando a legitimidade do chefe de Estado, « RAO » será simbolicamente investido « presidente do povo ».

Mas para as eleições de 2022, ele já não apareceu como um desafiante ao poder aos olhos de muitos quenianos.

A sua imagem como eterno adversário foi manchada pela sua aproximação com Uhuru Kenyatta nos últimos quatro anos.

Após a violência pós-eleitoral em 2017, que deixou dezenas de mortos, os dois rivais concordaram surpreendentemente com uma trégua, simbolizada em Março de 2018 por um aperto de mão que permaneceu famoso.

Alguns viram esta aproximação com o Sr. Kenyatta – que não pôde concorrer a um terceiro mandato e apoiou Raila Odinga para as eleições de 9 de Agosto – como um comício oportunista para finalmente ganhar poder.

Disse que tinha agido no interesse do Quénia, para evitar uma profunda fenda no país.

Os quenianos « sabem que eu sou uma pessoa independente, uma pessoa de consciência com convicções muito fortes », repetiu perante a imprensa durante a campanha: « Não posso ser o fantoche ou candidato de alguém ».

« Raila está bem consciente de que muito do apoio que tem é porque há muito tempo que é uma figura anti-estabelecimento. O ‘aperto de mão’ minou essa narrativa », disse Gabrielle Lynch, professora na Universidade de Warwick na Grã-Bretanha, à AFP.

Odinga, também conhecido como « Agwambo » (« o misterioso » na língua Luo), é um homem de contradições.

Os seus apoiantes mais leais ainda o vêem como um lutador pela democracia e um reformador social indispensável num país profundamente desigual. Os seus detractores descrevem-no como um agitador populista, rápido a jogar sobre rivalidades étnicas para promover a sua ambição.

Também o identificaram frequentemente como um « socialista ». Embora tenha estudado engenharia em Leipzig, na Alemanha Oriental comunista, e baptizado o seu filho mais velho Fidel – que morreu em 2015 – com o nome de Fidel Castro, este rico homem de negócios é o chefe de um sólido património económico, nomeadamente nos sectores do etanol e do petróleo.

Conhecido pelas suas capacidades oratórias, o seu carisma desvaneceu-se um pouco com a idade. Durante a campanha, este avô de cinco netos apareceu envelhecido, gaguejando e, por vezes, arrastado.

Mas nunca perde a sua paixão pelo clube inglês Arsenal e especialmente pelo reggae.

A eleição de 2022, porém, deu a mentira à canção Lucky Dube cujo título ele martela como um lema: « Ninguém pode parar o reggae ».

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply

Feelnews

Notícias imperdíveis