RUANDA: O fugitivo mais procurado pelo seu papel no genocídio do Ruanda morreu em 2006

Em fuga desde 2000, Protais Mpiranya era procurado pelo seu alegado envolvimento no genocídio, quando estava no comando da poderosa guarda presidencial.

Foi o fugitivo mais procurado da justiça pelo seu papel no genocídio de 1994 de Tutsis no Ruanda. Protais Mpiranya morreu em 2006, foi anunciado na quinta-feira pelos procuradores da ONU que investigavam o caso.

« Após uma investigação difícil e intensiva, o Ministério Público conseguiu determinar que Mpiranya morreu a 5 de Outubro de 2006 em Harare, Zimbabué », disse o Mecanismo para os Tribunais Criminais Internacionais (MTCT) num comunicado.

Em fuga desde 2000, Protais Mpiranya era procurado pelo seu alegado envolvimento no genocídio, que teve lugar de Abril a Julho de 1994 enquanto ele estava no comando da poderosa guarda presidencial. Foi acusado em 2000 pelo Tribunal Penal Internacional para o Ruanda (ICTR) de oito acusações de genocídio, cumplicidade em genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra.

O Sr. Mpiranya é acusado, juntamente com outros, de ter morto a primeira-ministra moderada Hutu Agathe Uwilingiyimana, dez militares de manutenção da paz belgas encarregados da sua protecção e vários políticos proeminentes, bem como as suas famílias e criados, a 7 de Abril de 1994, nas primeiras horas do genocídio de Tutsi.

« Um « temido e notório fugitivo

Após o ICTR ter emitido a sua acusação em 2002, Mpiranya fugiu para o Zimbabué, onde viveu até à sua morte, disse o tribunal. A sua presença no Zimbabué e mais tarde a sua morte foram deliberadamente ocultadas através dos esforços concertados da sua família e associados, acrescentou.

« Para as vítimas dos seus crimes, Mpiranya era um temido e notório fugitivo », acrescentou, sublinhando que « a confirmação da sua morte traz a consolação de saber que nunca mais poderá prejudicar os outros. « Apenas cinco fugitivos permanecem sob a jurisdição do Mecanismo », disse o tribunal da ONU.

Estima-se que 800.000 Tutsis e Hutus moderados morreram num massacre de 100 dias em 1994, durante o qual milicianos Hutus massacraram Tutsis escondidos em igrejas e escolas.

« Poder apresentar o destino do último dos principais fugitivos do ICTR – Protais Mpiranya – é um passo importante nos nossos esforços contínuos para obter justiça para as vítimas do genocídio de 1994 contra os Tutsis », saudou o procurador do tribunal, Serge Brammertz.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply