Tech: Como Tesla está a aproveitar o seu know-how tecnológico no meio de uma escassez de componentes

A empresa Elon Musk quer produzir quase o dobro dos automóveis em 2021, no meio da crise dos componentes. Uma promessa que ele poderia cumprir graças à sua perícia em hardware e software.

Como pode Tesla planear produzir 80% mais veículos em 2022 do que em 2020, quando o mundo está no meio de uma escassez de componentes electrónicos e o resto da indústria automóvel está a olhar para uma queda de 15% a partir de 2019? Não há nenhum truque de mão ou aquisição mafiosa, mas uma resposta bastante simples: no mundo dos automóveis, Tesla é um « Pequeno Polegar », mas também um especialista em tecnologia, como o Wall Street Journal correctamente detalha num artigo.

Comecemos por este último ponto: ao contrário do resto dos fabricantes de automóveis, Tesla não utiliza subempreiteiros para o seu fornecimento tecnológico. Enquanto a BMW contacta (por exemplo) a NXP, que tem os seus chips de arquitectura ARM produzidos onde quiser (TSMC, Samsung, STMicroelectronics, etc.), Tesla projecta os seus chips internamente ou em parceria directa com designers de chips (AMD em particular) e lida directamente com os fabs.

Outra vantagem é a integração: um analista da Bain Capital anota, por exemplo, áudio e reconhecimento de voz e gestos. Os fabricantes tradicionais gerem o controlo dos altifalantes, controlo de voz e controlo de movimento com três conjuntos de chips separados. Tesla, por outro lado, faz tudo isto com um único grupo.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

Para além deste know-how de hardware, existe uma vantagem chave em termos de software. Também aqui, enquanto o fabricante tradicional de automóveis integra não só chips, mas também tijolos de software desenvolvidos pelos seus subcontratantes, Tesla vai muito mais longe. Uma vez que controla todo o software nos seus automóveis, é capaz de fazer mais com menos, mas também de mudar mais rapidamente de fornecedor de chips, reescrevendo todo ou parte do código para diferentes chips – uma vantagem chave quando consegue deitar as mãos a outro tipo de processador.

Finalmente, é também o tamanho pequeno e o aspecto « estrela em ascensão » que ajuda Tesla. Enquanto os subcontratantes estão habituados a contratos muito pesados e fixos com as grandes empresas de automóveis, Tesla é mais ágil e fácil de gerir. Com apenas 627.000 veículos entregues nos primeiros nove meses de 2021 e uma estrutura mais ágil e tecnologicamente mais eficiente, Tesla é um cliente com menos problemas de volume e beneficia da sua imagem de marca inovadora, ao contrário dos « velhos rapazes » da indústria. Isto torna mais fácil fazer arranjos rápidos e pontuais.

Resta saber como Tesla irá comportar-se à medida que cresce. Mas o que é certo é que o « pequeno » já teve um grande impacto nos grandes: segundo Gartner, em 2025, metade dos 10 maiores fabricantes de automóveis planeia ter as suas mãos na sujidade ao desenhar as suas próprias fichas. O que quer que se pense dos carros e do chefe Tesla, o impacto da abordagem tecnológica da empresa americana sobre o resto da indústria é real.

leave a reply