Ucrânia: a Rússia abre a porta para um regresso à calma com o Ocidente

Moscovo anunciou que algumas das forças militares destacadas durante semanas perto da fronteira ucraniana começaram a regressar às suas bases. A partida dos soldados russos é vista como um sinal de desescalada.

Algumas tropas russas destacadas nas regiões limítrofes da Ucrânia começaram a regressar às suas bases depois de completarem os exercícios militares, informaram as agências russas na terça-feira (15 de Fevereiro), citando o Ministério da Defesa.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

Segundo a Interfax, as unidades destacadas nas regiões sul e oeste, na fronteira oriental da Ucrânia, terminaram as suas manobras, embora outros exercícios militares estejam a prosseguir no resto do país. « Unidades dos distritos militares do sul e oeste, tendo concluído as suas tarefas, já começaram a tomar os seus lugares no transporte ferroviário e rodoviário e hoje começarão a regressar às suas guarnições », disse o porta-voz do Ministério da Defesa russo Igor Konashenkov, sem elaborar.

O regresso dos soldados russos às suas bases é visto como um sinal de desescalada, uma vez que Moscovo e os países ocidentais aumentama as trocas diplomáticas para encontrar uma saída para a crise em torno da Ucrânia. Na segunda-feira 14 de Fevereiro, Sergei Shoigu, o Ministro da Defesa russo, deu uma primeira indicação de um possível abrandamento das tensões com o Ocidente, afirmando que outras manobras, organizadas simultaneamente na Bielorrússia, « estão a ser concluídas ». « Estão a decorrer exercícios, alguns deles estão terminados. Outros continuam, dada a sua dimensão », acrescentou o ministro.

Na terça-feira, as autoridades de Kiev congratularam-se com estes anúncios, dizendo que a Ucrânia e o Ocidente tinham impedido uma « escalada » russa. Este início de desescalada vem depois do Ministro dos Negócios Estrangeiros russo Sergei Lavrov, rompendo com as suas declarações ofensivas dos dias anteriores, ter dito na segunda-feira que queria dar à diplomacia uma nova « oportunidade ». No mesmo dia, o Chanceler alemão, Olaf Scholz, em visita a Kiev, exortou Moscovo a aproveitar as « ofertas de diálogo » do Ocidente.

leave a reply