UE/Corrupção: Qatargate no Parlamento Europeu abala a Grécia

A vice-presidente grega do Parlamento Europeu, Eva Kaïli, foi detida na sexta-feira em Bruxelas, no âmbito de uma investigação de corrupção levada a cabo pelo Qatar. Consternada, a imprensa grega apreendeu o caso.

O terramoto que atingiu Bruxelas na sexta-feira com a notícia da detenção de Eva Kaïli abalou Atenas.

“A detenção da Sra. Kaïli e de mais quatro pessoas fez parte de uma investigação do Gabinete Central para a Repressão da Corrupção contra a corrupção por representantes do Catar no Parlamento Europeu”, disse Kathimerini.

A polícia belga encontrou 600.000 euros em dinheiro no seu apartamento, relata o principal diário de centro-direita. “Kaïli presa no deserto do Qatar”, grelhas Kathimerini.

Eva Kaïli, 44 anos, tem assento no Parlamento Europeu desde 2014 sob a bandeira do PASOK, o Partido Socialista Grego.

Pedido de desculpas para o Qatar

Um vídeo publicado há quinze dias por I AVGI ressurgiu hoje de um discurso feito por Eva Kaïli na tribuna do Parlamento em defesa das condições de trabalho no Qatar. “Eva Kaïli glorifica o Qatar”, a manchete diária da ala esquerda.

“Hoje, o Campeonato Mundial de Futebol no Qatar é uma prova concreta de como a diplomacia desportiva pode levar a uma transformação histórica de um país cujas reformas inspiraram o mundo árabe”, disse Eva Kaïli no Parlamento Europeu a 22 de Novembro.

“O Qatar é um líder em direitos laborais.

“À luz destes desenvolvimentos, o memorável discurso de Eva Kaïli no Parlamento Europeu, no qual fez formidáveis declarações de apoio ao Qatar, já não deveria levantar tantas questões”, conclui o diário de esquerda Efsyn.

Excluída do partido, demitida do cargo


A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, decidiu suspender Eva Kaïli do seu cargo de vice-presidente com efeito imediato. A mulher de Salónica também foi expulsa do seu partido PASOK-KINAL.

“Com a exclusão da Sra. Kaïli, uma guerra interna que estava a causar dores de cabeça na sede do partido chega ao fim”, escreve o semanário To Vima. Demasiado próxima da Nova Democracia, o partido conservador no poder, e demasiado afastada das posições do seu próprio partido, a Sra. Kaïli esteve na linha de fogo durante vários meses.

LEIA TAMBÉM

“Anunciei há algum tempo que a Sra. Kaïli não voltaria a ser uma candidata para nós porque estava a funcionar como cavalo de Tróia para a Nova Democracia”, acusou o presidente do PASOK Níkos Androulákis.

Corrupção: o maior problema do país

No entanto, as consequências internas da política grega são ensombradas pelo desespero da imprensa em relação à corrupção endémica num país que está cheio de escândalos.

Para o semanário de esquerda Documento, “a corrupção generalizada, a impunidade dos poderosos e o emaranhamento da elite económica e política continuam a ser o maior problema do país, produzindo mais escândalos do que o público pode engolir”.

A incompreensão chega aos meios de comunicação social de opinião Protagon, que regressa à remuneração dos deputados europeus e pergunta “com já tanto dinheiro no bolso, que verme está a corroer as suas entranhas a ponto de aceitar presentes de homens de fato ou djellabas? “

L’attribut alt de cette image est vide, son nom de fichier est Mozbox-new-2-1024x341.jpg.

leave a reply