África do Sul: Ministra diz às alunas que « abram os livros e fechem as pernas ».

Um ministro regional da saúde ficou debaixo de fogo na África do Sul por dizer às alunas para « abrirem os livros e fecharem as pernas ».

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

Phophi Ramathuba fez o comentário durante uma visita a uma escola secundária, numa tentativa de encorajar a abstinência e reduzir as taxas de gravidez na adolescência.

Os utilizadores dos meios de comunicação social criticaram o comentário e questionaram o porquê de este ser dirigido apenas a raparigas.

A Sra. Ramathuba defendeu a mensagem, a qual, segundo ela, se dirigia também aos rapazes.

A ministra da saúde da província do Limpopo visitou na quarta-feira a escola secundária de Gwenane, no município de Sekgakgapgeng, para assinalar o primeiro dia do novo ano académico.

« À menina digo eu: Abram os vossos livros, e fechem as pernas ». Não abram as pernas, abram os livros ». Muito obrigado », disse ela aos estudantes.

Ela acrescentou que as raparigas estavam a ser atraídas por homens mais velhos usando luxos como perucas caras e telefones inteligentes.

Os comentários suscitaram críticas após um vídeo do discurso ter sido partilhado nas redes sociais.

« Esta não é uma forma apropriada de falar às crianças sobre abuso, sexo e consentimento », escreveu um utilizador das redes sociais.

O político da oposição Siviwe Gwarube chamou às observações « profundamente problemáticas ».

« Esta foi uma oportunidade de ter uma conversa significativa com estes alunos sobre consentimento. Em vez disso, a culpa é da sua vítima. Colocar pressão indevida sobre as raparigas », disse ela numa mensagem no Twitter.

A Sra. Ramathuba disse ao site de notícias sul-africano TimesLIVE que a sua declaração tinha sido retirada do contexto, e que era dirigida também aos rapazes.

« Disse aos rapazes para se concentrarem na sua educação e não dormir com raparigas », disse ela.

Ela acrescentou que os seus eleitores no Limpopo « apreciaram a mensagem ».

« Diziam mesmo que tinham medo de dizer estas coisas e agradeciam-me por chamar as coisas pelos seus nomes », disse ela.

As estatísticas governamentais mostram que quase 33.400 raparigas com menos de 17 anos de idade deram à luz na África do Sul em 2020.

Save the Children afirma que a falta de acesso a uma educação sexual abrangente, bem como a serviços de saúde acessíveis e apropriados, são factores-chave que contribuem para a gravidez de adolescentes na África do Sul.

leave a reply