CAN 2022: contra o Egipto, Senegal recebe a sua primeira estrela

Os Leões de Teranga ganharam a final da Taça Africana das Nações em Yaounde, no domingo, depois de um emocionante empate 0-0 com os Faraós.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

Não há nenhuma estrela no céu escuro de Yaoundé; mas quando o estádio Olembe escurece no início do concerto de encerramento, as bancadas são transformadas numa constelação onde as luzes dos telefones são tantas estrelas brilhantes. Não há nenhuma estrela no céu de Yaoundé; mas uma banda de Leões veio aos Camarões para a encontrar, para a apanhar, para a deitar abaixo e para a bordar para sempre perto do coração na camisola nacional. Foi isto que o Senegal conseguiu alcançar no domingo, 6 de Fevereiro, ao vencer a final da Taça Africana das Nações (CAN), no estádio Olembe, contra o Egipto, após um jogo no final do suspense (0-0, 4-2 a tempo).

Um olhar para trás. Senegal-Egipto, um jogo cheio de classe; a promessa de um duelo sem precedentes, que pontua em majestade o fim de um torneio lúgubre. De facto, a 24 de Janeiro, pouco antes dos Camarões-Comoros (2-1), oito pessoas morreram numa debandada fora da entrada sul da arena. Foi observado um minuto de silêncio antes da final. A vida continua, o futebol continua.

Não há nenhuma estrela no céu em Yaoundé, mas um jogador está a aproximar-se: Sadio Mané. Antes do início da partida, a camisola do número 10 senegalês apareceu nos ecrãs gigantes e a multidão aplaudiu-o de pé. Alguns minutos mais tarde, o guia dos Leões de Teranga correu para o campo, sorrindo como um rapazinho, com os braços erguidos, a assediar a multidão. Outra ovação. O Senegal está a jogar em casa; os egípcios, vaiados, não têm direito ao mesmo acolhimento.

Para os jornalistas que vieram em grande número de Dakar, esta final é « Guerra das Estrelas ». O Senegal tem vindo a perseguir a sua primeira vitória desde 1965. Esta grande nação do futebol nunca ganhou uma Taça Africana. Que injustiça! Os Leões poderiam ter ganho em 2002 (contra os Camarões, nas penalidades) ou em 2019 (contra a Argélia, 0-1). Para a sua terceira final, a segunda consecutiva, juraram trazê-la para casa.

Por outro lado, o Egipto tem sete vitórias, um recorde inigualável. Só que o seu líder, o imparável Mohamed Salah, nunca o ganhou: em 2017, perdeu para os Camarões, para o seu grande desespero. Senegal-Egito é também o confronto entre dois companheiros, duas estrelas, dois atacantes que partilham a mesma camisa ao nível do clube, a do Liverpool. Mané-Salah, um duelo entre dois grandes nomes do futebol africano.

O jogo está a decorrer. Tal como contra os Camarões, o Egipto concordou em dar a bola aos seus adversários. Depois as coisas descontrolaram-se: Saliou Ciss foi derrubado na zona (3º). O árbitro não hesitou por muito tempo: penalização. Mané estava prestes a tomar a injecção, a estrela não estava longe. A multidão aplaude-o, gritando « o objectivo ». Ele deu o tiro, mas Gabaski, que era imperioso, impediu-o. O guarda-redes número dois (o titular está lesionado) volta a defender um pênalti, como na ronda anterior.

Observamo-nos uns aos outros, não nos desvendamos uns aos outros. Os faraós estão a tentar encontrar Salah. As suas tácticas são claras: dar a bola ao chefe e deixar o seu génio falar. Os senegaleses dominaram claramente; os egípcios não entraram em pânico em defesa. Salah parecia estar em boa forma, embora a sua equipa tivesse jogado praticamente mais um jogo do que os seus adversários: para chegar à final, o Egipto teve de jogar três jogos extra.

Contra o Senegal, existe um muro vermelho: como encontrar a brecha? A final foi apertada, fechada, técnica e pouco espectacular. Os senegaleses não conseguiram encontrar o passe final que fizesse a diferença. Salah parece querer terminar: cada um dos seus controlos é perigoso e faz a diferença. O Egipto jogou como mãos velhas, com experiência, cometendo pequenos erros para quebrar o ritmo dos contra-ataques. O Senegal não conseguiu pôr a bola a rolar nesta final.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

No início da segunda metade, a intensidade tinha caído vários entalhes. O Senegal acusou em várias ocasiões, mas Gabaski, uma e outra vez, não deixou escapar nada. Quando há um fogo a alguns centímetros da sua linha de golo, o guarda-redes lança-se destemidamente para apanhar a bola. O jogo tornou-se indeciso e tenso. Mesmo que o Senegal dominasse, a final poderia ir para qualquer dos lados. Salah permanece em emboscada para distribuir passes decisivos.

Bamba Dieng, rodando, poderia ter dado a vantagem em várias ocasiões. O jogo entrou em tempo extra, o quarto para os faraós e o primeiro para o Senegal. A final está no fio da faca e o Gabaski está intransitável. O Egipto é teimoso na sua estratégia: defender e esperar pelo contra-ataque certo. Não jogam, vão arrepender-se…

No final do suspense, os faraós bloquearam a final, aniquilando o Senegal e o seu jogo, incapazes de se exprimir. O fim do tempo extra. Penalizações, a terceira sessão para o Egipto durante este torneio. Impensável.

Edouard Mendy, o melhor guarda-redes do mundo segundo a FIFA, contra Gabaski, que já salvou a sua equipa muitas vezes. Depois de Mané-Salah, outro duelo está a chegar. A multidão rosna quando um egípcio está prestes a disparar, exultam quando um Leão se aproxima: exigem que o Senegal receba aquela maldita estrela.

Três tiros para dois. Depois Mendy salva o quarto remate à baliza. Sadio Mané dá um passo em frente, o estádio canta o seu nome; Mohamed Salah esconde o seu rosto com a sua camisa. O número 10 apressou-se a avançar, marcou e entregou a sua equipa, o estádio, e um povo. A estrela Mané acaba de ganhar a Taça Africana das Nações, a primeira, aquela por que todos esperavam. A história bateu uma terceira vez à porta do Senegal. Era a correcta. Pape Diouf, ex-presidente do Olympique de Marselha, que morreu de Covid-19 em Dakar há quase dois anos, teria gostado de ver esta vitória. Nessa noite, não havia nenhuma estrela no céu escuro de Yaoundé, mas no campo de Olembe, o Senegal finalmente encontrou-a.

leave a reply