Covid-19: quase 180.000 novos casos num só dia em França, um recorde histórico

Depois de mais de 100.000 casos no dia de Natal, o número de testes positivos num dia atingiu um máximo histórico na terça-feira. Mais de 3.400 pacientes são hospitalizados em cuidados críticos devido ao Covid-19, um aumento de 417 pacientes em um dia.

Nunca antes se tinha atingido um nível tão elevado de infecções diárias em França. Cerca de 180.000 novos casos de Covid-19 foram registados nas últimas vinte e quatro horas, na terça-feira 28 de Dezembro, após ter sido ultrapassado o limiar de 100.000 casos no dia de Natal.

De acordo com os dados publicados pela Santé publique France, foram registados exactamente 179.807 testes positivos em vinte e quatro horas. Em média, durante os últimos sete dias, 87.214 pessoas testaram positivo.

Aumento do número de hospitalizações


A tensão continua a aumentar nos hospitais: na terça-feira, foram registadas 2.110 novas hospitalizações (contra 1.634 no dia anterior), elevando o número total de camas ocupadas por doentes Covid-19 em França para 17.405. Quanto aos serviços de cuidados críticos, foram registadas 417 novas hospitalizações na terça-feira, em comparação com 328 no dia anterior, para um total de 3.416 pessoas tratadas nestes serviços para os casos mais graves.


Quase 700.000 pessoas receberam uma injecção de vacina contra a Covid-19 na terça-feira: 46.589 primeiras injecções e 613.757 doses de reforço.

« Tudo sugere que poderíamos chegar a mais de 250.000 casos por dia até ao início de Janeiro », previu o ministro da saúde, Olivier Véran, numa conferência de imprensa na segunda-feira com o primeiro-ministro, Jean Castex.

O governo está a tentar travar a epidemia


Durante este discurso, o Primeiro-Ministro anunciou várias medidas para tentar travar uma epidemia que está de novo a ficar fora de controlo com a propagação da variante Omicron, que é muito mais contagiosa do que as variantes anteriores. Sem chegar ao ponto de decidir sobre um recolher obrigatório a 31 de Dezembro ou um adiamento do início do ano lectivo, o Primeiro-Ministro anunciou um regresso à capacidade máxima de 2.000 pessoas dentro de casa e 5.000 ao ar livre, bem como o uso « obrigatório » do teletrabalho « sempre que possível » e a proibição de assistir a concertos de pé e de beber em pé em bares e cafés.

A fim de limitar « o impacto na sociedade de uma multiplicação de contaminações e casos de contacto, que podem levar a uma paralisia dos serviços públicos e privados », o governo deve também « ajustar » até ao final da semana as regras de isolamento para as pessoas que testam positivo e os seus casos de contacto.

O Ministro do Interior, Gérald Darmanin, pediu também aos prefeitos que tomassem medidas para « dissuadir as reuniões » e impor o uso de máscaras no centro da cidade, particularmente na véspera de Ano Novo. Num telegrama consultado pela Agence France-Presse, o ministro pediu à polícia que fosse « muito firme » contra as reuniões « espontâneas » e que tivesse uma « presença suficiente » para garantir as medidas já anunciadas pelo governo para a noite de sexta-feira, tais como a proibição do consumo de álcool na via pública. Jean Castex também pediu às câmaras municipais para se absterem das festividades do Ano Novo, incluindo concertos e fogo-de-artifício.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply