Crise ucraniana: novas conversações na cimeira para tentar evitar a « invasão » russa

O Ocidente promete à Rússia « fortes sanções económicas » no caso de uma invasão. O Kremlin deixou claro que não se importa com estas ameaças.

Numa tentativa de resolver uma das crises mais perigosas entre o Oriente e o Ocidente desde o fim da Guerra Fria há três décadas, o Presidente dos EUA Joe Biden e o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, voltaram a falar ao telefone no domingo 13 de Fevereiro.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

« Os dois líderes concordaram sobre a importância de prosseguir a diplomacia e a dissuasão em resposta à acumulação militar russa nas fronteiras da Ucrânia », disse a Casa Branca. O Sr. Biden prometeu novamente uma resposta « rápida e decisiva » dos EUA, em coordenação com os seus aliados, no caso de um ataque russo. O Sr. Zelensky convidou o Sr. Biden a vir à Ucrânia. « Estou convencido que a sua visita a Kiev nos próximos dias (…) enviaria um sinal forte e ajudaria a estabilizar a situação », disse ele.

A troca ocorre num momento de intensa actividade diplomática: no sábado, líderes ocidentais e russos fizeram uma série de telefonemas para tentar aliviar as tensões sobre a Ucrânia, que Moscovo é acusada de se preparar para invadir. Mas estas conversações parecem ter produzido poucos resultados. O encontro entre o Sr. Biden e o Presidente russo Vladimir Putin no sábado não deu « motivos para optimismo », disse no domingo o porta-voz do Pentágono, John Kirby.

No dia anterior, a Rússia tinha escarnecido do risco de sanções ocidentais no caso de uma invasão da Ucrânia. « Perdoem a expressão, mas não queremos saber de todas as suas sanções », disse o embaixador russo na Suécia Viktor Tatarintsev à Aftonbladet, numa entrevista publicada no final de sábado no sítio web do jornal sueco. « Já nos foram impostas tantas sanções e de certa forma elas tiveram efeitos positivos na nossa economia e agricultura », acrescentou o experiente Tatarintsev.

Invasão « iminente » temida pelo Ocidente


Washington diz temer uma invasão « iminente », assinalando que Moscovo reuniu mais de 100.000 tropas perto da fronteira ucraniana e acaba de iniciar manobras militares no Mar Negro e na Bielorrússia, enquadrando de facto o país.

Moscovo, que já anexou a Crimeia em 2014, condiciona a desescalada a uma série de exigências, incluindo a garantia de que Kiev nunca aderirá à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) – uma condição que o Ocidente considera inaceitável.

leave a reply