Saude: Pandemia agravou a situação da fome no mundo, mostra ONU

O Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas (PAM) foi galardoado com o Prémio Nobel da Paz. David Beasley, o seu director executivo, pede num artigo no « Le Monde » uma acção forte para ajudar as regiões pobres do mundo, onde as consequências do Covid-19 e os conflitos serão dramáticos.

Tribuna. Enquanto falamos, os médicos de todo o mundo são confrontados com a escolha mais difícil que se pode imaginar: decidir quem receberá tratamento para o Covid-19 e quem não receberá, decidir quem viverá e quem morrerá.

No Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas (PAM), não estávamos habituados a estes terríveis exercícios de triagem. Mas ao longo dos anos, a falta de fundos tem-nos forçado a reduzir as rações alimentares muitas, muitas vezes, para níveis que, em locais tão devastados como Darfur, Sudão, mal conseguem manter as pessoas vivas. Por vezes, nem sequer fomos capazes de prestar esta ajuda crucial devido à intensidade dos combates no Iémen, Somália, Sul do Sudão, Afeganistão, Síria. Era demasiado perigoso. E já perdemos mais de uma centena de colegas no terreno.

Segundo a ONU, mais de 45 milhões de pessoas estão próximas da fome, principalmente devido a conflitos, alterações climáticas e Covid-19. O salto de mais três milhões de pessoas em menos de um ano deve-se à situação no Afeganistão.

Mais de 45 milhões de pessoas estão à beira da fome em todo o mundo, o Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas (PAM) advertiu na segunda-feira 8 de Novembro.

« Dezenas de milhões de pessoas estão à beira da fome. Conflito, alterações climáticas e Covid-19 aumentaram o número de pessoas com fome aguda », disse o Director Executivo do PAM David Beasley após uma viagem ao Afeganistão, onde o programa da ONU está a prestar assistência a quase 23 milhões de pessoas.

Situações agudas de insegurança alimentar afectam 43 países. O salto de 42 milhões de pessoas em risco de fome no início do ano para 45 milhões foi possível graças a uma avaliação da insegurança alimentar, que constatou que outros três milhões de pessoas enfrentam agora a fome no Afeganistão, de acordo com a agência da ONU sediada em Roma.

« Os preços dos combustíveis estão a subir, os preços dos alimentos estão a disparar, os fertilizantes são mais caros; todos estes factores estão a alimentar uma nova crise como a do Afeganistão, bem como emergências de longa data como o Iémen e a Síria », disse Beasley.

Famílias obrigadas a vender os seus filhos


O custo da prevenção da fome em todo o mundo é de 7 mil milhões de dólares (cerca de 6 mil milhões de euros), contra 6,6 mil milhões de dólares (5,7 mil milhões de euros) no início do ano. No entanto, deve ser tido em conta que os mecanismos tradicionais de financiamento estão sobrecarregados.

As famílias que enfrentam uma insegurança alimentar aguda são forçadas a « fazer escolhas devastadoras », casando-se com crianças demasiado novas, tirando-as da escola ou alimentando-as com gafanhotos, folhas ou cactos, de acordo com o PAM. Notícias do Afeganistão indicam que « as famílias estão a ser forçadas a vender os seus filhos numa tentativa desesperada de sobrevivência », disse a agência da ONU.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply