Internacional/Israel e Hamas: O que é a « lista da vergonha » da ONU e porque é que Israel e o Hamas estão nela incluídos?

Todos os anos, o Secretário-Geral da ONU publica um relatório que enumera as violações dos direitos das crianças em cerca de vinte zonas de conflito em todo o mundo, com um apêndice que enumera os responsáveis por essas violações, que incluem crianças mortas e mutiladas, recrutadas, raptadas ou vítimas de abusos sexuais.

Após meses de guerra em Gaza, o exército israelita foi acrescentado à « lista da vergonha » da ONU sobre os direitos das crianças em conflito. O Hamas também foi incluído. A pedido do Conselho de Segurança, o Secretário-Geral da ONU publica um relatório anual que enumera as violações dos direitos das crianças em cerca de vinte zonas de conflito em todo o mundo, com um anexo que enumera os responsáveis por essas violações, que incluem crianças mortas e mutiladas, recrutadas, raptadas ou vítimas de abusos sexuais. Este anexo foi apelidado de « lista da vergonha ».

O novo relatório foi publicado a 18 de junho, mas o embaixador israelita nas Nações Unidas, Gilad Erdan, apanhou todos de surpresa ao anunciar que tinha sido notificado pelo chefe de gabinete do secretário-geral da ONU, António Guterres, da adição do exército israelita. « Estou profundamente chocado e revoltado com esta decisão vergonhosa do Secretário-Geral », diz Erdan ao telefone, num vídeo publicado na sua conta X.

« Esta é uma decisão imoral que ajuda o terrorismo e recompensa o Hamas (…). Que vergonha », acrescentou o embaixador, que nos últimos meses tem atacado regularmente Guterres e a ONU em geral. « a ONU juntou-se à lista negra da história ao juntar-se àqueles que apoiam os assassinos do Hamas », acrescentou o primeiro-ministro israelita, Benyamin Netanyahu, no X. As forças armadas israelitas são « o exército mais moral do mundo e nenhuma decisão insensata da ONU vai mudar isso », acrescentou.

Por outro lado, o embaixador palestiniano na ONU, Riyad Mansour, congratulou-se com a inclusão de Israel na lista. Esta decisão « não trará de volta as dezenas de milhares de crianças mortas por Israel ao longo de várias décadas », mas « é um passo importante na direção certa para acabar com a duplicidade de critérios e a cultura de impunidade de que Israel goza há demasiado tempo », comentou.

Stéphane Dujarric, porta-voz de António Guterres, confirmou a conversa telefónica com o embaixador israelita, afirmando que se tratava de uma « chamada de cortesia » para os países « recentemente incluídos » no relatório. « O objetivo era avisar os países e evitar fugas de informação », afirmou, criticando a gravação e a publicação do vídeo da conversa telefónica. É « chocante e inaceitável e, francamente, algo que nunca vi em vinte e quatro anos nesta organização », insistiu.

Publicidade_Página Home_Banner_(1700px X 400px)

Anuncie aqui: clique já!

Advertência em 2022

No ano passado, as forças armadas russas e os grupos armados « afiliados » apareceram na « lista da vergonha » da ONU. Mas não Israel, para grande desânimo das organizações de defesa dos direitos humanos que há anos pedem a sua inclusão. No relatório de 2022, a ONU avisou que Israel seria incluído na lista se não se registassem melhorias. Mas o relatório do ano passado observou « uma diminuição significativa no número de crianças mortas pelas forças israelenses, inclusive em ataques aéreos », entre 2021 e 2022.

A guerra entre Israel e o Hamas, desencadeada em 7 de outubro por um ataque sem precedentes do Hamas a Israel – que resultou na morte de 1.194 pessoas, a maioria civis mortos nesse dia, de acordo com uma contagem da AFP baseada em dados oficiais israelitas – alterou a situação.

A inclusão de Israel este ano é « uma decisão completamente justificada pelo Secretário-Geral, apesar de já ter sido tomada há muito tempo », disse à AFP Louis Charbonneau, da Human Rights Watch. « É algo que temos vindo a pedir há muito tempo, juntamente com a inclusão do Hamas e de outros grupos armados palestinianos », acrescentou.

Em resposta ao ataque de 7 de outubro, o exército israelita lançou uma ofensiva mortífera na Faixa de Gaza, onde o Hamas tomou o poder em 2007. Pelo menos 36 731 palestinianos, na sua maioria civis, foram mortos, segundo os últimos números divulgados na sexta-feira pelo Ministério da Saúde do governo de Gaza, dirigido pelo Hamas, que não puderam ser verificados de forma independente. Os números já não especificam o número de crianças, mas o gabinete de imprensa do governo de Gaza aponta para mais de 15.000 menores mortos.

leave a reply