EUA e aliados europeus mantêm compromisso pela « integridade territorial da Ucrânia »

O Presidente dos Estados Unidos e os aliados europeus reiteraram hoje o seu compromisso na defesa da « integridade territorial da Ucrânia », na sequência da conferência virtual entre Joe Biden e o homólogo russo Vladimir Putin.

Em comunicado, a Casa Branca revelou que Biden informou os líderes da França, Alemanha, Itália e Reino Unido sobre a cimeira virtual com Putin, na qual alertou Moscovo para « as graves consequências de uma intervenção militar russa na Ucrânia ».

Nos contactos, os líderes ocidentais sublinharam « o seu compromisso e apoio à soberania e integridade territorial da Ucrânia », pode ler-se na nota.

E estabeleceram que as suas equipas irão permanecer em contacto próximo, inclusive em consulta com os aliados da NATO e parceiros da União Europeia, numa abordagem « coordenada e abrangente ».

Joe Biden informou ainda estes aliados da NATO que, na conversa como o homólogo russo, salientou a « necessidade de uma diminuição do conflito e regresso à diplomacia », segundo a mesma fonte.

A Casa Branca já tinha divulgado que na cimeira virtual Biden disse a Putin que a Rússia arrisca « fortes sanções, incluindo económicas » em caso de escalada militar na Ucrânia.

Biden exprimiu « a profunda preocupação » dos Estados Unidos e dos seus aliados face ao aumento de tropas russas na fronteira com a Ucrânia, prosseguiu a Casa Branca, antes de precisar que os dois chefes de Estado também abordaram a cibersegurança e o seu « trabalho comum sobre assuntos regionais como o Irão ».

O Presidente dos Estados Unidos recusou fazer « promessas ou concessões » ao chefe de Estado russo Vladimir Putin, que pretende sobretudo que a NATO feche as portas à entrada da Ucrânia.

Os norte-americanos referiram também que o futuro do gasoduto russo Nord Stream 2, que transportará gás russo diretamente para a Europa Ocidental através da Alemanha, estará em jogo caso a Rússia invada a Ucrânia, revelando negociações com o Governo alemão sobre este assunto.

Biden também vincou perante Putin que Washington terá uma posição mais dura do que em 2014, quando Moscovo anexou a Crimeia.

Após a conversa de Biden com os aliados europeus, o Presidente francês, Emmanuel Macron, revelou que vai assumir a mediação com os seus homólogos da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, e da Rússia, Vladimir Putin, na tentativa de evitar um conflito.

Macron salientou que mantém a intenção de « continuar a explorar todas as formas e meios para garantir uma redução das tensões entre os dois países », destacou Paris em comunicado, revelando a realização de reuniões com Zelensky e Putin.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

Após a conversa com Biden, Vladimir Putin fez saber que denunciou hoje perante o seu homólogo norte-americano o crescente potencial militar da NATO juntos às fronteiras da Rússia e pediu « garantias » sobre o não alargamento da Aliança para leste.

O Kremlin tem desmentido qualquer projeto de invasão e tem acusado Washington de negligenciar as suas preocupações: crescente atividade de países da NATO no mar Negro, intenção ucraniana em aderir à Aliança Atlântica e ambição de Kiev de continuar a receber armamento do ocidente.

leave a reply