Europa: Washington diz que a Rússia pode atacar a Ucrânia « a qualquer momento », as tropas russas na Bielorrússia

O Ministério da Defesa da Bielorrússia justificou estas manobras « improvisadas » com o reforço da presença da OTAN na Polónia e nos Estados Bálticos, bem como com a situação na Ucrânia.

Le président biélorusse, Alexandre Loukachenko, salue des hauts responsables militaires à Minsk, le 17 janvier 2022. Le président biélorusse a approuvé l’idée d’un exercice conjoint des forces armées russes et biélorusses appelé « Détermination de l’union 2022 ».

A pressão militar está a aumentar na Europa de Leste. A Bielorrússia anunciou na terça-feira 18 de Janeiro a chegada de um número não especificado de tropas russas para exercícios de « prontidão de combate » em Fevereiro.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

« Os próximos exercícios operacionais e de prontidão de combate estão a ter lugar devido ao agravamento da situação político-militar no mundo, ao aumento contínuo das tensões na Europa, especialmente nas fronteiras ocidental e meridional da Bielorrússia », disse o Ministério da Defesa bielorrusso.

Acrescentou que se tratava de manobras « improvisadas », mas que a sua escala – não especificada – não exigia notificação dos pormenores, especialmente aos vizinhos da Bielorrússia, Polónia, Lituânia, Letónia e Ucrânia, em cujas fronteiras a Rússia já reuniu dezenas de milhares de tropas, provocando receios ocidentais de uma invasão.

A Rússia pode atacar a Ucrânia « em qualquer altura

A porta-voz da Casa Branca Jen Psaki disse na terça-feira que « a Rússia pode lançar um ataque à Ucrânia em qualquer altura », referindo-se a uma « situação extremamente perigosa ». « Não foi excluída nenhuma opção » do lado dos EUA para responder a tal ataque, disse ela, quando questionada, em particular sobre a exclusão da Rússia do circuito seguro de transferências bancárias internacionais Swift. O porta-voz do Pentágono disse que o Presidente russo Vladimir Putin estava « claramente a construir um pacote de forças que lhe dá uma série de opções ».

Por seu lado, Antony Blinken, chefe da diplomacia americana, irá encontrar-se com o seu homólogo russo, Sergei Lavrov, sexta-feira em Genebra (Suíça) para procurar uma « saída diplomática » da crise, anunciou terça-feira um funcionário do Departamento de Estado. O Secretário de Estado é esperado em Kiev na quarta-feira e viajará depois para Berlim para conversações com o Reino Unido, França e Alemanha sobre a Ucrânia, uma vez que o Ocidente avisou a Rússia de que enfrentaria graves consequências se invadisse o território ucraniano: « [Se isso acontecer, para além das sanções económicas,] forneceremos equipamento defensivo adicional aos ucranianos », disse o funcionário do Departamento de Estado.

Os Estados Unidos estão também preocupados com uma proposta de reforma constitucional na Bielorrússia que permitiria a instalação de armas nucleares russas no país que faz fronteira com a Ucrânia e a Polónia, disse um funcionário do Departamento de Estado norte-americano aos repórteres.

Objectivo: « repelir a agressão externa

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, anunciou os exercícios na segunda-feira, sem especificar as datas. No mesmo dia, os utilizadores russos da Internet publicaram vídeos de comboios carregados de equipamento militar, tanques e outros veículos na Rússia ocidental em direcção à fronteira.

O Vice-Ministro da Defesa russo Alexander Fomin disse a 98 adidos militares estrangeiros em Moscovo que as manobras se destinavam a « repelir a agressão externa », de acordo com as agências russas. Anunciou que dois sistemas terra-ar S-400 e doze caças Su-35 seriam destacados.

Os exercícios decorrem em duas fases: a primeira, de agora até 9 de Fevereiro, envolve o destacamento de tropas russas e bielorussas para « áreas ameaçadas », a segurança das infra-estruturas estatais e militares e a protecção do espaço aéreo. Depois, de 10 a 20 de Fevereiro, as manobras propriamente ditas, denominadas « Determinação da União 2022 », deverão ter lugar em várias bases militares na Bielorrússia.

O anúncio destes exercícios surge numa altura em que os russos e americanos devem decidir sobre os próximos passos nos seus esforços diplomáticos, depois de uma série de conversações que não conseguiram neutralizar o risco de um novo conflito na Ucrânia.

leave a reply