Moçambique: Após diplomata mozambicano ser declarado persona non grata em Somália, esta esperado um novo enviado da UA

Espera-se que a Missão de Transição da União Africana na Somália tenha um novo líder nos próximos dias, depois que as relações diplomáticas entre o governo somali e o chefe da missão, Francisco Madeira, de Moçambique, azedaram na semana passada.

Fontes diplomáticas disseram ao EastAfrican que era « irrealista » que Francisco Madeira regressasse à Somália depois de o governo lhe ter retirado os seus privilégios diplomáticos. A fonte disse que o embaixador Madeira foi forçado a renunciar para que não fosse declarado persona non grata. No entanto, o jornal observou que a Madeira não respondeu às suas perguntas.

O chefe da Missão de Transição da União Africana na Somália (ATMIS) já deveria estar comandando um novo tipo de força de paz no terreno para substituir a AMISOM, a missão em grande parte militar destinada a acabar com a al-Shabaab.

O período de transição, no entanto, coincidiu com os problemas da Madeira com o governo somali, depois que um áudio vazou satirizou a indiferença dos funcionários do governo em lidar com questões de segurança.

Na semana passada, o presidente da União Africana, Moussa Faki Mohamed, declarou publicamente que tinha « plena confiança » no embaixador Madeira, posição também apoiada pelo presidente da Somália, Mohamed Farmayo, mas o seu primeiro-ministro Hussein Roble discordou.

Roble não perdeu tempo em fazer cumprir a ordem de expulsão de Madeira, incluindo a revogação de privilégios diplomáticos, como acesso VIP no aeroporto, a revogação de sua permissão de trabalho diplomático e outros privilégios de que gozava durante seu mandato como representante especial junto ao presidente da comissão.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply

Feelnews

Notícias imperdíveis