Moçambique: Ciclone Batsirai aproxima-se enquanto grande parte da população afetada está ainda em processo de recuperação

A Cooperação e Desenvolvimento alertou hoje para a aproximação do ciclone Batsirai de Moçambique, para as consequências que os ventos de 230km/h podem provocar e o agravamento da “insegurança alimentar”.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

Segundo as projeções atuais, do Instituto Nacional de Meteorologia (INM), “o ciclone Batsirai tem potencial para entrar no canal de Moçambique atingindo a zona sul”, explica a organização através de um comunicado.

“Enquanto uma nova ameaça paira sobre o país, os impactos da Tempestade ANA e as chuvas fortes continuam a alagar as províncias de Nampula, Zambézia, Tete, Niassa, Manica e Sofala com custos preliminares estimados de reconstrução em cerca de 1.7 mil milhões de euros”, acrescenta o comunicado.

O INM indica que o ciclone Batsirai, que se encontra atualmente em Madagáscar, atinge a categoria 4, “com ventos de 230km/h”; a Oikos recorda que o ciclone Idai, que atingiu a Beira em 2019, foi de categoria 3 com ventos de 205km/h, tendo na altura provado mais de 900 mortes e atingido 2,5 milhões de pessoas.

“Grande parte da população afetada está ainda em processo de recuperação dos desastres naturais anteriores como o ciclone Idai, o Chalane e o Eloise. Foram feitas ainda apenas duas ou três épocas agrícolas, o que é muito pouco para as comunidades recuperarem”, explica Dinis Chembene, gestor de programa na área de desastres e alterações climáticas da Oikos em Moçambique.

O responsável explica ainda que a produção não atingiu níveis esperados, gerando “situações de insegurança alimentar”, contexto que atinge a maioria das famílias pobres que persistem “nas zonas afetadas por desastres naturais” dos últimos anos.

“Haverá pessoas com fome que estão impedidas de produzir, com os seus campos alagados, que ficarão dependentes de ajuda externa alimentar”, elucida.

leave a reply