Descobrir o mundo: Uma incursão na enorme prisão onde estão encerrados os “psicopatas e terroristas” de El Salvador

“Aqui estão os psicopatas, os terroristas, os assassinos que mergulharam o nosso país no luto”: pela primeira vez desde a sua construção no ano passado, o governo de El Salvador abriu as portas da sua mega-prisão, descrita como um “buraco negro” em matéria de direitos humanos.

O Centro de Contenção do Terrorismo (CECOT) foi construído na depressão de um vale 74 km a sudeste da capital do país, San Salvador. É composto por oito edifícios de betão armado de 6000 metros quadrados, cada um com 32 celas de cerca de cem metros quadrados. Cada cela está equipada com dois lavatórios e duas casas de banho, que os reclusos devem utilizar à frente de todos os outros.

Durante o dia, a temperatura pode atingir mais de 35 graus Celsius. Há luzes fortes acesas a toda a hora. Os prisioneiros comem com as mãos e só podem sair das suas celas 30 minutos por dia. Dormem em camas de metal, sem colchões nem almofadas.

Publicidade_Página Home_Banner_(1700px X 400px)

Anuncie aqui: clique já!

A imprensa internacional teve acesso à prisão pela primeira vez no dia 6 de fevereiro.

“O Alcatraz da América Central”

Atrás das grades, os prisioneiros amontoam-se nos beliches e olham para os visitantes. Têm todos o mesmo aspeto: cabeças rapadas, vestidos com t-shirts e calças brancas, os corpos cobertos de tatuagens.

A maioria dos prisioneiros é suspeita de pertencer ao Barrio 18 e à Mara Salvatrucha (MS-13), dois gangues de rua que fizeram de El Salvador um dos lugares mais perigosos do mundo nos últimos anos.

Cinco prisioneiros do CECOT foram apresentados aos jornalistas: assassinos e assassinos contratados. Alguns foram condenados a mais de 269 anos de prisão, segundo o diretor da prisão, que não quis ser identificado.

Oficialmente, o governo salvadorenho afirma que a prisão tem capacidade para 40.000 reclusos. No entanto, é difícil saber o número exato de prisioneiros ali detidos. “Onde podemos colocar 10 pessoas, podemos colocar 20”, disse o diretor do centro à BBC.

Miguel Sarre, antigo membro do Subcomité das Nações Unidas para a Prevenção da Tortura, descreveu o local como um “poço de betão e aço”.

Salientando que nenhum prisioneiro saiu vivo do CECOT, advertiu que o local parece ser utilizado “para se livrar de pessoas sem aplicar formalmente a pena de morte”.

Publicidade_Página Home_Banner_(1700px X 400px)

Anuncie aqui: clique já!

leave a reply