Economia: Petróleo, gás e metais batem novos recordes

A guerra na Ucrânia está a alimentar os receios sobre o fornecimento de matérias-primas e a fazer subir os preços. Esta tendência ascendente pode tornar-se ainda mais pronunciada, alertam os especialistas.

A guerra na Ucrânia e os receios sobre os fornecimentos de mercadorias empurraram os preços do petróleo para os mais altos de quase uma década na quarta-feira, enquanto o gás natural e o alumínio atingiram novos recordes.

O aumento dos preços do petróleo foi renovado após os países exportadores da OPEP+, liderados pela Arábia Saudita e pela Rússia, terem decidido não aumentar a sua produção mais do que o esperado, apesar do aumento dos preços.

O WTI dos EUA estava a $110,95, mais 7,29 por cento por volta das 15:20 p.m. depois de subir para $112,51, o valor mais alto desde 2013. O Brent do Mar do Norte subiu 6,50% depois de atingir $113,94, o mais alto desde 2014.

O gás natural também foi alto, com a TTF holandesa a subir 36,27% para 168,77 euros por megawatt hora (MWh), depois de atingir 194,715 euros, um máximo histórico. O gás britânico esteve perto do seu máximo histórico desde Dezembro passado.

A invasão da Ucrânia pela Rússia de Vladimir Putin levou a União Europeia e os Estados Unidos a impor duras sanções a Moscovo, alimentando o receio de que as exportações russas de energia sejam interrompidas.

Segundo maior exportador de petróleo do mundo

A Rússia é o segundo maior exportador mundial de petróleo bruto e representa mais de 40% das importações anuais de gás natural da União Europeia. « O risco agora é que o Ocidente fique sob pressão crescente para sancionar as exportações russas de petróleo e gás », disse Neil Wilson, um analista da Markets.com.

A UE desligou sete bancos russos do sistema financeiro internacional Swift, mas até agora tem tido o cuidado de poupar duas grandes instituições financeiras com fortes ligações ao sector do petróleo e gás.

O conflito russo-ucraniano surgiu numa altura em que os preços do petróleo bruto já estavam a subir acentuadamente devido à falta de oferta e a uma forte recuperação da procura global causada pelo levantamento das restrições sanitárias na Covid-19.

O anúncio feito na terça-feira pela Agência Internacional de Energia de que libertaria 60 milhões de barris das reservas dos seus países membros – metade dos quais seriam libertados pelos EUA – em nada contribuiu para acalmar os preços. « A menos que haja uma calma geopolítica (…) poderíamos ver uma continuação desta tendência » com « efeitos dominó na maioria dos tipos de bens e preços ao consumidor », avisou Walid Koudmani sobre XTB.

Interrupções de abastecimento cada vez mais prováveis

Os metais industriais já estavam apanhados na corrida louca, com « interrupções de fornecimento da Rússia a tornar-se cada vez mais prováveis », disse Daniel Briesemann do Commerzbank.

O gigante naval dinamarquês Maersk anunciou na terça-feira que suspendia novas encomendas de e para os portos russos, excluindo alimentos, produtos médicos e humanitários. « Se outras companhias de navegação seguirem este exemplo, tornar-se-á cada vez mais difícil exportar materiais da Rússia », disse o analista.

Uma tonelada de alumínio atingiu $3.597 na Bolsa de Metais de Londres (LME) na quarta-feira, um novo recorde histórico, enquanto o níquel bateu um novo recorde desde 2011 a $26.505,00 por tonelada.

Em 2021, a Rússia era o terceiro maior produtor mundial de alumínio depois da China e da Índia, segundo dados do World Bureau of Metal Statistics, e exporta grande parte da sua produção para a Turquia, o Japão, a China, os Estados Unidos e a União Europeia.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply