Um desafio para África: não se tornar o « caixote do lixo plástico » do mundo

Enormes lixeiras abertas de milhares de toneladas já deitam lixo em muitas das capitais do continente.

Será que a África, que já recebe resíduos tóxicos de outros lugares, se tornará o « caixote do lixo do mundo » para os resíduos plásticos? Na Assembleia do Ambiente da ONU, que abre na segunda-feira 28 de Fevereiro em Nairobi, os países do continente tentarão unir-se para evitar isto.

De Antananarivo a Dakar, via Nairobi e Conacri, as capitais africanas são poluídas por enormes lixeiras ao ar livre onde são produzidos milhares de toneladas de resíduos plásticos, libertando cheiro, fumo e partículas tóxicas.

Os resíduos plásticos também poluem os oceanos e as zonas rurais, ameaçando a vida selvagem e as pessoas. Estes sacos [de plástico] são verdadeiros assassinos », diz Hama Abdoulaye, um pastor nigeriano que vive perto de Niamey. Eles matam os nossos animais lentamente quando pastam na relva misturada com plástico.

Devido à fraca recolha de resíduos e à falta de instalações de reciclagem, « os resíduos plásticos estão a aumentar em África », regista um relatório recente do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), que representa « uma ameaça significativa para o ambiente e as economias do continente ».

Cerca de 300 milhões de toneladas de resíduos plásticos são produzidas anualmente em todo o mundo, 11 milhões das quais acabam nos oceanos, mas de acordo com a ONU, « a falta de estatísticas » para África « é um grande obstáculo ». « Não há dúvida de que se nada for feito em poucos anos, a África será um verdadeiro caixote do lixo de sacos de plástico e resíduos », disse Ousmane Danbadji, chefe da Rede de Água e Saneamento do Níger.

A decisão da China em 2018 de proibir a importação de resíduos plásticos, seguida por outros países asiáticos como as Filipinas e a Malásia, fez temer que os países ricos se voltassem para o continente africano para se livrarem deles.

Já o fazem para outros produtos e materiais perigosos, como baterias ou componentes eléctricos e electrónicos usados, particularmente no Gana e na Nigéria. « Há um grande risco de que todos os resíduos dos países industrializados sejam despejados aqui em África », receia Yves Ikobo, presidente da ONG congolesa Planète verte RDC.

Em Nairobi, os países africanos tentarão chegar a uma posição comum sobre a proibição da importação de resíduos plásticos para o continente, tendo em vista as conversações para um acordo internacional contra a poluição por plásticos.

Desde o início dos anos 2000, a maioria dos países da África Subsaariana adoptaram progressivamente legislação que proíbe a « produção, importação, comercialização, utilização e armazenamento de sacos e embalagens de plástico », que muitas vezes não é ou é mal aplicada.

« Ansioso por conciliar a prossecução de actividades económicas com a protecção do ambiente », uma nota da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) enviada à AFP afirma que está « em vias de finalizar um projecto de regulamento sobre a harmonização das regras nacionais ». Contudo, os estados membros « ainda não acordaram (…) um prazo para a importação de plásticos ».

« Há uma falta de empenho de muitos Estados em África », diz John Gakwavu, chefe de uma ONG ambiental ruandesa, um sentimento partilhado por Ousmane Danbadji: « Não podemos fazer nada quanto à proliferação [de resíduos plásticos], porque os políticos não estão realmente empenhados na luta.

Esta falta de empenho está em parte ligada ao impacto económico e social do sector plástico, que cria empregos em vários países, incluindo a África do Sul, a potência do continente, onde emprega cerca de 65 000 pessoas. Barbara Creecy, Ministra do Ambiente da África do Sul, declarou recentemente que qualquer acordo internacional deve ter em conta as « responsabilidades diferenciadas e respectivas capacidades » de cada um « à luz das circunstâncias nacionais ».

« Penso que os países africanos não tomarão exactamente a mesma posição » em Nairobi, disse Nhlanhla Sibisi da Greenpeace África, sediada em Joanesburgo. « Países como a África do Sul, que já tem uma forte indústria de plásticos, irão apontar para a « criação de emprego » mas também a sua contribuição « para o sistema fiscal ». Um argumento forte num país onde 65% dos jovens estão desempregados.

« Será muito difícil para os nossos países unir forças para proibir a entrada de resíduos », diz Yves Ikobo, « porque para eles é também a entrada de fundos e capital. É por isso que é importante para nós manter a pressão para que o futuro do continente não seja sacrificado.

Richard Kainika, Secretário-Geral da Associação de Recicladores de Resíduos do Quénia, diz não ter « nenhum problema » com a importação de resíduos plásticos para África que inicialmente foram « bem separados e classificados » porque « a reciclagem ajuda a criar empregos e protege o ambiente ».

Para compensar as deficiências das autoridades públicas e enquanto esperam por um acordo internacional que levará tempo, os cidadãos africanos mobilizam-se com os seus meios limitados para tentarem tornar as suas cidades, campos e praias mais limpas, recolhendo regularmente os plásticos que as submergem, nomeadamente em Libreville e Abidjan. Nesta cidade, em colaboração com a UNESCO e uma empresa privada colombiana, foi inaugurada em 2020 uma fábrica de reciclagem de plástico em tijolos para a construção de centenas de escolas na Costa do Marfim.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply