Tecnologia: Porque é que os dispositivos desportivos conectados são um presente de Natal envenenado

Cada vez mais dispositivos desportivos e de saúde conectados exigem o pagamento de uma taxa de subscrição mensal para aceder a todos os dados medidos… ou mesmo para funcionar.

Há dez anos, o processo de utilização de uma pulseira conectada era relativamente simples. Por exemplo, para uma pulseira conectada Fitbit Flex, bastava pagar 5222 MZN de uma só vez, e depois podia utilizar a pulseira durante o tempo que quisesse, usufruindo de todas as funções oferecidas.

Em 2023, se comprar uma pulseira conectada Whoop sem ecrã, terá de pagar 2500 MZN… e depois uma subscrição de 18 190 MZN por ano. E se um dia decidir não pagar a subscrição, a pulseira conectada será transformada numa simples pulseira de tecido, plástico e metal. Sem a subscrição, deixará de poder acompanhar o seu sono, contar os seus passos ou controlar o seu ritmo cardíaco… em suma, todas as funções que fazem da Whoop uma pulseira conectada.

Entre estes dois extremos, existe uma vasta gama de produtos e aplicações com diferentes graus de restrições. Mas o sector das aplicações desportivas e dos objectos relacionados com a saúde encontrou um novo vigor com as assinaturas. As subscrições estão agora disponíveis na Apple, Strava, Withings, Oura, Whoop, Fitbit e até no fabricante chinês de relógios conectados Mobvoi, para monitorização avançada do sono.

Funções adicionais disponíveis através de paywalls

Estas subscrições de produtos de saúde, desporto e bem-estar têm vindo a surgir gradualmente nos últimos cinco anos, lideradas pela Fitbit nos Estados Unidos. A marca, que entretanto foi adquirida pela Google, lançou a sua subscrição “Fitbit Premium”. Por 9 euros por mês, a assinatura dá acesso a uma série de funções mais avançadas, incluindo uma pontuação diária de fitness, sugestões de exercícios, um perfil de sono com uma pontuação detalhada do sono e um relatório de bem-estar.

Em termos práticos, as funcionalidades oferecidas pelo Fitbit Premium são adicionais às que estavam disponíveis na aplicação de base, sem assinatura, antes do lançamento do Fitbit Premium. Acima de tudo, a assinatura é uma vantagem e não é essencial para tirar partido de uma pulseira Fitbit Charge 6, de um relógio Fitbit Sense 2 ou de um Google Pixel Watch 2. O objetivo da Fitbit aqui é simplesmente oferecer mais se estiver preparado para pagar um pouco mais, como nos disse o fabricante: “Fitbit Premium oferece aos utilizadores um serviço mais abrangente para ir mais longe com análises mais avançadas e medições de saúde mais aprofundadas”.

A mesma filosofia será também encontrada na Withings, que lançou este ano a sua própria subscrição Withings+. Aqui, o pagamento mensal dará acesso a programas de treino desportivo ou planos nutricionais com receitas, funções que até agora não eram oferecidas pela aplicação Withings. Mais uma vez, não se trata de a Fitbit colocar atrás de uma barreira de pagamento funções que foram oferecidas gratuitamente – ou pelo menos com a simples compra de um relógio – no passado. Mesmo sem uma subscrição Withings+, os utilizadores têm acesso ao histórico do seu eletrocardiograma, ao número de passos dados num dia e ao histórico do seu ritmo cardíaco, como nos explicou o fabricante francês:

O que acontece aos produtos quando a subscrição é cancelada?

Para além de ter de pagar todos os meses, outro problema deste modelo de subscrição é o que acontece aos dispositivos. Como vimos com o Whoop, o Oura e o Zwift, estes dispositivos desportivos perderão toda ou (grande) parte da sua funcionalidade quando a assinatura for cancelada. O utilizador ficará com um pedaço de plástico, tecido ou metal que já não terá grande utilidade.

Na Oura, por exemplo, sem uma assinatura, os utilizadores apenas terão acesso a três pontuações, sem dados detalhados ou conselhos. Na Whoop, a aplicação torna-se inacessível. E no Zwift, o módulo de ciclismo permanece acessível ao utilizador, como uma bicicleta de exercício tradicional, mas sem a possibilidade de aceder às diferentes funções do jogo.

Com os relógios ou pulseiras conectados tradicionais, não é raro que os utilizadores se aborreçam ao fim de algum tempo. Não os utilizam muito e acabam por se esquecer de os recarregar e de os abandonar numa gaveta. Isso é um problema por si só. Se acrescentarmos o constrangimento de ter de pagar todos os meses para continuar a usufruir do seu dispositivo, o risco de abandono é ainda maior.

Para além de ser um desperdício de dinheiro, este problema tem também um impacto ecológico. Uma pulseira Whoop foi concebida para medir o ritmo cardíaco. Como tal, tem um monitor de ritmo cardíaco com componentes electrónicos e a sua pegada de carbono é muito superior à de uma simples pulseira de tecido. Por isso, não fornecer um serviço de devoluções ou uma solução de reciclagem após o cancelamento da subscrição acrescenta um problema ecológico à questão económica do utilizador. Tanto mais que nem a Oura, nem a Zwift, nem a Whoop oferecem uma assinatura “vitalícia”, em que o utilizador pagaria de uma só vez o acesso ao serviço durante cinco, dez ou vinte anos – uma verdadeira assinatura vitalícia seria ilusória, uma vez que o serviço pode ser encerrado no futuro. Caso contrário, teremos de nos contentar com a opção oferecida por estes fabricantes de devolver o equipamento no prazo de trinta dias após a compra.

Por último, investir num ecossistema deste tipo, pagando centenas de euros por assinatura todos os anos, também prende o consumidor a um ecossistema. Um utilizador da pulseira Whoop que a tenha utilizado durante dois anos, com um custo de 444 euros, terá armazenado tantos dados na aplicação que será logicamente mais difícil mudar para outro ecossistema, como Garmin, Coros, Suunto ou Polar. E não importa se custa apenas metade do preço total pago no Whoop.

É certo que estes serviços desportivos ou pacotes de subscrição são particularmente rentáveis e seguros para os fabricantes. Mas para os consumidores, parecem uma prisão dourada da qual será cada vez mais difícil escapar, mês após mês, prestação após prestação.

leave a reply