Ucrânia: Joe Biden ameaça a Rússia com sanções económicas de que « nunca viu

No dia seguinte à sua reunião de duas horas com Vladimir Putin, Joe Biden voltou a endurecer o seu tom numa conferência de imprensa na Casa Branca na quarta-feira 8 de Dezembro. « Tenho sido muito claro que se ele invadir de facto a Ucrânia », disse aos repórteres, « haverá consequências económicas como ele nunca viu. O presidente americano excluiu por enquanto o envio de tropas americanas, uma vez que Kiev não é membro da NATO, mas aumentou claramente a pressão diplomática sobre Moscovo, que é acusada de reunir dezenas de milhares de soldados na fronteira com a Ucrânia, com vista a atacar o país.

Kiev também recebeu apoio na quarta-feira do novo chanceler alemão Olaf Scholz, que disse que uma invasão russa da Ucrânia teria « consequências » para o controverso gasoduto Nord Stream 2 que liga a Rússia à Alemanha. « A nossa posição é muito clara, queremos que a inviolabilidade das fronteiras seja respeitada por todos », disse ele na sua primeira entrevista após a tomada de posse. A Casa Branca não deixou claro se Biden tinha mencionado esta táctica de pressão a Vladimir Putin, mas o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan insistiu que se tratava de uma « prioridade absoluta ».

O Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken e o Presidente do Conselho Europeu Charles Michel concordaram num apelo na quarta-feira « sobre a necessidade de impor sanções rápidas e severas à Rússia », caso a escalada militar se intensifique. O Reino Unido e a França também se juntaram ao coro de vozes europeias apelando a Vladimir Putin para se conter. Em Paris, o Ministério dos Negócios Estrangeiros advertiu a Rússia das « consequências estratégicas e maciças » da agressão contra a Ucrânia.

Intervenção militar excluída por enquanto


Pela sua parte, a Rússia nega qualquer belicosidade para com o seu vizinho, cuja península da Crimeia anexou em 2014. Mas tem reiterado a sua oposição categórica à adesão da Ucrânia à OTAN. Vladimir Putin disse na quarta-feira que Moscovo tinha « o direito de proteger a sua segurança », dizendo que permitir que a OTAN se aproximasse das suas fronteiras sem reagir seria « criminoso ». « Só podemos estar preocupados com a possibilidade de a Ucrânia ser admitida na OTAN, porque isso seria sem dúvida acompanhado pelo destacamento de contingentes militares, bases e armamentos que nos ameaçam », acrescentou.

Durante o seu encontro com o anfitrião da Casa Branca, o chefe de Estado russo pediu « garantias jurídicas seguras » que impediriam a Ucrânia de aderir à Aliança Atlântica. Em Washington, Joe Biden disse que a « obrigação sagrada » que o vincula aos países desta aliança « não se estende à Ucrânia », excluindo, de momento, a intervenção militar. Mas avisou que um ataque russo na Ucrânia levaria a uma presença militar mais forte dos EUA nos territórios dos membros da OTAN na Europa de Leste.

O presidente americano também « deixou claro à Ucrânia » que, neste caso, os Estados Unidos forneceriam « meios de defesa ». Kiev já receberá « armas ligeiras e munições », enviadas esta semana como parte de um plano de apoio aprovado por Joe Biden, o porta-voz do Pentágono John Kirby anunciou na quarta-feira.

Espectro de um novo confronto

O Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, que há vários meses tem vindo a apelar aos seus aliados ocidentais para que lhe dêem mais apoio, disse na quarta-feira que as discussões entre o Sr. Biden e o Sr. Putin foram « positivas ». « Vemos agora uma verdadeira reacção pessoal (…) do Presidente Biden na resolução do conflito », disse ele. Os presidentes dos EUA e da Ucrânia deverão realizar conversações telefónicas na quinta-feira.

Na sequência do apelo, Joe Biden irá consultar os líderes do « Bucareste Nove », um grupo de membros da OTAN da Europa de Leste, sobre o seu intercâmbio com Vladimir Putin e os receios de uma invasão da Ucrânia. O grupo inclui a Bulgária, República Checa, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia, Roménia e Eslováquia.

As tensões levantam o espectro de um novo confronto militar na Ucrânia, um país pobre da Europa Oriental dilacerado desde 2014 por uma guerra civil no Donbass e noutras áreas ao longo da sua fronteira oriental. Kiev acusa a Rússia de apoiar os separatistas, o que Moscovo nega. Mais de 13.000 pessoas morreram no conflito.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply