África: Como os mineiros se adaptam aos golpes de Estado na África Ocidental

Sempre que há um golpe, as empresas mineiras estão em alerta, mesmo que as novas autoridades queiram tranquilizar os operadores.

Contacto: +258 84 91 20 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

Um sector no Burkina Faso que não pareceu particularmente afectado pelo recente golpe foi a mineração. A 27 de Janeiro, três dias após os militares terem tomado o poder sob a liderança do Tenente-Coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba, « levámos a cabo um carregamento sem entraves de ouro da nossa mina no estrangeiro », relata Eric Gratton, director de relações externas na África Ocidental para o grupo Fortuna Silver Mines.

A empresa canadiana explora a mina Yaramoko no oeste do país e refina o minério na Suíça. As operações também continuaram como habitualmente nas outras minas do país, dezasseis de ouro e um de zinco.


Hoje, um golpe de Estado já não significa uma paragem total da actividade. Os dias em que as juntas chegaram ao poder e nacionalizaram as minas acabaram », diz Indigo Ellis, director associado da consultoria estratégica Africa Matters. Qualquer futuro líder está a tentar proteger o sector mineiro, que é uma das principais fontes de divisas estrangeiras. De facto, um colapso do fluxo de caixa e do investimento é a chave para permanecer no poder.

O novo Chefe de Estado do Burkina Faso, Paul-Henri Sandaogo Damiba, tentou imediatamente tranquilizar os grupos mineiros, garantindo a 27 de Janeiro a livre circulação do equipamento e do pessoal, bem como a manutenção das condições de exportação de minério e das convenções em vigor na sequência de uma reunião com o presidente da Câmara de Minas, tal como revelado pelos Serviços Secretos Africanos. O ouro é responsável por 11% do PIB do país e, juntamente com o algodão, constitui 95% das receitas de exportação.


Na Guiné e no Mali, os dois países da África Ocidental que sofreram golpes em 2021, a centralidade da mineração para a economia também levou os líderes golpistas a apaziguar os operadores.

Na sequência do golpe de 5 de Setembro em Conakry, a Coronel Mamady Doumbouya, chefe da junta guineense, anunciou que os contratos assinados seriam respeitados e que as fronteiras marítimas permaneceriam abertas para permitir que as minas continuassem a funcionar. No Mali, os militares nomearam um tecnocrata, Lamine Seydou Traoré, como Ministro das Minas, para apaziguar os investidores.


Apesar disso, cada golpe de estado põe os grupos mineiros em alerta. A partir de 22 de Janeiro, quando a situação no quartel militar do Burkina Faso começou a ficar tensa, as equipas da Fortuna Silver Mines seguiram o desenvolvimento dos acontecimentos minuto a minuto. Foram realizadas reuniões regulares a partir da manhã do golpe de 24 de Janeiro entre os gestores da empresa no Burkina Faso, o gestor de operações da África Ocidental baseado na Austrália e a sede no Canadá.

Em áreas consideradas instáveis, as empresas preparam-se sempre para uma tal eventualidade. « Está prevista uma operação de mineração », diz Christian Mion, parceiro e perito do sector mineiro no EY, « que envolve uma análise de risco que tem em conta as múltiplas facetas do projecto: segurança, política, jurídica, financeira, etc. ».


Este risco é levado tanto mais a sério na África Ocidental como a pandemia de Covid-19 aumentou o desemprego e o descontentamento da população com os governos, tudo isto num contexto marcado por uma crescente insegurança, particularmente no Sahel.

No terreno, os gestores de segurança da empresa mineira desenvolvem sistematicamente planos para lidar com emergências, estando prontos para evacuar um local ou confinar empregados. Quando a situação se torna tensa, eles limitam o movimento e o armazenamento. A protecção também é alcançada através da subscrição de um seguro de risco político junto da Agência Multilateral de Garantia do Investimento (MIGA) do Banco Mundial e da inclusão de cláusulas específicas nos contratos.


Outro desafio para eles é manter boas relações com os residentes dos sítios mineiros, para evitar qualquer protesto social. Nas semanas que se seguiram ao golpe na Guiné, as ameaças de greves e os apelos à intervenção do novo presidente para resolver conflitos já latentes aumentaram em algumas minas na região de Boké, o coração da produção de bauxite do país.

Os grupos mineiros devem também manter uma certa neutralidade em relação às autoridades de modo a não comprometer o futuro. Na Guiné, os investidores ainda se lembram do desafio legal à venda do complexo de alumina de bauxite Friguia ao grupo russo Rusal pa.

leave a reply