África: Por que os milicianos Amhara da Etiópia estão lutando contra o exército

O conflito é o mais recente sinal de que Abiy está lutando para viver de acordo com seu prêmio Nobel – uma honra concedida a ele em 2019 por encerrar as hostilidades de longa data com a Eritreia e colocar a Etiópia no caminho da democracia após quase três décadas de guerra de ferro. primeira regra.

Mas a reputação de Abiy como pacificador e democrata foi ainda mais manchada pelo conflito em Amhara – a segunda maior região da Etiópia.

A violência levantou alarme internacionalmente, com Israel evacuando seus cidadãos e o povo judeu da região na semana passada.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

Então, quem está lutando em Amhara?

Abiy está enfrentando um formidável desafio ao seu poder de milícias conhecidas como Fano – uma palavra amárica traduzida livremente como “combatentes voluntários”. A frase foi popularizada na década de 1930, quando “combatentes voluntários” se juntaram ao exército do imperador Haile Selassie para lutar contra os invasores italianos.

Ainda hoje é usado pelos agricultores e jovens que formaram milícias para defender o povo Amhara, cujo futuro, segundo eles, está ameaçado pelo governo e outros grupos étnicos.

Embora não tenham uma estrutura de comando unificada, essas milícias – ou Fano – demonstraram sua força nas últimas semanas por:

  • realizando o que o Ministro da Paz da Etiópia, Binalf Andualem, chamou de “ataques horríveis” em acampamentos do exército
  • assumindo brevemente o controle do aeroporto em Lalibela, uma cidade histórica famosa por suas igrejas escavadas na rocha
  • avançando nas duas maiores cidades regionais – Bahir Dar e Gondar – bem como na cidade industrial de Debrebirhan, antes de ser derrotado pelas forças do governo
  • saques de armas e munições de delegacias de polícia
  • invadindo uma prisão em Bahir Dar e libertando milhares de presos – incluindo colegas milicianos.

A crise é tão séria que muitas pessoas dizem que o governo do estado de Amhara – controlado pelo Partido da Prosperidade (PP) de Abiy – está à beira do colapso, com funcionários importantes fugindo para a capital federal, Adis Abeba, por medo de serem atacados.

O que desencadeou o conflito?

A violência pode ser rastreada até o acordo de paz assinado pelo governo federal e a Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF) para encerrar a guerra civil de dois anos que viu as forças Tigrayan avançarem para Addis Abeba em 2021, antes de serem forçadas a recuar para o norte. .

O acordo – mediado pela União Africana (UA), com o apoio dos EUA – foi amplamente recebido como uma tentativa de restaurar a estabilidade na Etiópia – um vasto país que há muito é considerado um eixo central da segurança no Chifre da África e como o berço da unidade pan-africana.

Mas o acordo foi recebido com profunda desconfiança entre os Amharas, pois foram excluídos das negociações, apesar do fato de que as milícias Fano e as forças especiais Amhara – um grupo paramilitar ligado ao governo regional – lutaram ao lado do exército federal.

O influente grupo de campanha baseado nos Estados Unidos, a Amhara Association of America, chegou a descrevê-lo como um “pacto de guerra” – uma acusação negada pelo governo de Abiy.

No entanto, a percepção se enraizou em Amhara, especialmente depois que Abiy anunciou planos para desmantelar as forças especiais presentes em cada uma das 11 regiões étnicas da Etiópia.

Ele propôs que as forças especiais – que são estimadas em dezenas de milhares – sejam integradas ao exército federal e à força policial para promover a unidade étnica e evitar que forças regionais sejam arrastadas para conflitos – como foi o caso em Tigray quando suas forças especiais se juntaram à rebelião contra o governo de Abiy em 2020, mais de dois anos depois que ele assumiu o cargo de primeiro-ministro.

Mas muitos amharas viram seu plano como uma bandeira vermelha, argumentando que os deixaria vulneráveis ​​a ataques do vizinho Tigray – seus rivais históricos por terra e poder na Etiópia.

Embora algumas das forças especiais de Amhara tenham concordado em se integrar ao exército e à polícia, muitos outros desertaram para o Fano, escondendo-se em montanhas e vilas e usando suas armas para realizar incursões contra o governo e postos militares.

Em algumas cidades e vilas, as milícias tentaram estabelecer suas próprias administrações, em uma ameaça direta ao poder do governo.

Qual foi a resposta do Sr. Abiy?

Até agora, o primeiro-ministro tem confiado principalmente na força militar, com a câmara baixa do parlamento endossando, na segunda-feira, sua decisão de declarar um estado de emergência de seis meses na região.

Isso colocou Amhara sob o controle de fato dos serviços de segurança. A região foi dividida em quatro postos de comando, sob o controle geral de um comitê presidido pelo chefe de inteligência Temesgen Tiruneh.

O desdobramento pesado de tropas foi apoiado pelo poder aéreo. No domingo, um ataque aéreo foi realizado na cidade de Finote Selam, supostamente matando pelo menos 26 pessoas em uma manifestação antigovernamental.

Isso alimentou a especulação de que o exército usará cada vez mais seu poder aéreo para repelir as conquistas territoriais do Fano, embora corra o risco de causar baixas civis.

O governo não confirmou nem negou a ocorrência de um ataque aéreo.

O toque de recolher noturno foi declarado em seis cidades – incluindo a capital regional, Bahir Dar – forçando as pessoas a ficarem em casa.

As forças de segurança também estabeleceram postos de controle em toda a região, com relatos de que muitos amharas foram impedidos de viajar para Addis Abeba nos últimos meses, levantando preocupações de perfil étnico.

As autoridades dizem que estão tentando impedir que potenciais criadores de problemas se infiltrem na cidade. Mas isso alimentou a raiva de Amharas e aumentou seu sentimento de alienação do governo federal.

Qual é a saída para a crise?

Durante o debate parlamentar de segunda-feira, o ex-ministro das Relações Exteriores da Etiópia, Gedu Andargachew – que já foi líder do governo regional de Amhara – disse que estava claro que o partido governante havia perdido seu apoio lá.

Ele disse que é preciso dialogar e formar um novo governo interino na região, mas até agora não há sinais de que isso aconteça.

Alguns analistas apontam que também há conflito em outras partes da Etiópia – inclusive no centro político de Abiy, Oromia, onde o grupo rebelde do Exército de Libertação de Oromo (OLA) luta pelo que chama de “autodeterminação”.

O governo federal manteve conversações de paz com os rebeldes em abril, mas não conseguiu um avanço, com a região ainda atingida pelo conflito.

Oromos formam o maior grupo étnico na Etiópia, seguido por Amharas.

O OLA foi acusado de atrocidades generalizadas contra Amharas em Oromia, levantando temores de que deseja expulsá-los da região. O OLA nega ter como alvo Amharas.

Quando assumiu o cargo, Abiy defendeu sua visão de Mademer, ou “reunião”, e acabou com a repressão do Estado ao desbanir grupos de oposição, libertar prisioneiros políticos e permitir o retorno de exilados.

Ele também lançou o PP, uma fusão de diferentes partidos com base ética, acreditando que promoveria a nacionalidade em um país onde as lealdades éticas são fortes.

Mas os críticos dizem que a Etiópia voltou ao regime repressivo, com Abiy lutando para obter apoio popular para sua visão – o último sinal disso é o conflito em Amhara.

Não está claro o que o primeiro-ministro planeja fazer a seguir, mas alguns analistas dizem que ele precisa convocar um fórum nacional onde grupos políticos e étnicos possam discutir a melhor forma de resolver suas diferenças para que a paz retorne a uma nação dilacerada pelo conflito.

Contacto: +258 84 91 29 078 / +258 21 40 14 21 – comercial@feelcom.co.mz

leave a reply