China: O ‘sol artificial’ da China atingiu cinco vezes a temperatura do sol real

O « sol artificial », um reactor nuclear desenvolvido pela China, aqueceu durante 17 minutos a 70 milhões de graus durante o seu último teste, informou o Posto South China Morning Post  a 1 de Janeiro. Isto é cinco vezes mais quente do que o sol real.

O reactor de fusão Tokamak HL-2M, a que os seus designers chamam o ‘sol artificial’, está em funcionamento desde o início de Dezembro do ano passado. Levou mais de 14 anos a construir e pode teoricamente atingir temperaturas de mais de 200 milhões de graus Celsius, 13 vezes mais altas do que o núcleo do Sol. O desenvolvimento deste reactor poderia ajudar a satisfazer as actuais necessidades energéticas da China enquanto desenvolve energia sustentável. De facto, ao imitarem a reacção de fusão nuclear que alimenta o verdadeiro Sol, os cientistas esperam criar « energia limpa ilimitada ».

Os investigadores realizaram recentemente mais testes no reactor que tornaram o seu sistema de aquecimento mais eficiente e « sustentável » do que antes. O « sol artificial » funcionou durante 1.056 segundos, ou 17 minutos e 36 segundos, a 70 milhões de graus, cinco vezes mais quente que o núcleo do sol real, informou o Posto da Manhã do Sul da China. « A recente operação estabelece uma base científica e experimental sólida para o funcionamento de um reactor de fusão », disse Gong Xianzu, o investigador responsável pela última experiência.

A China já gastou cerca de 840 milhões de euros no projecto. O seu « sol artificial » atingiu 120 milhões de graus Celsius durante 101 réplicas segundos em Maio passado, depois 160 milhões de graus Celsius durante 20 segundos. Agora o objectivo principal é manter a temperatura acima dos 100 milhões de graus durante um longo período de tempo.

leave a reply